Crédito: Paulo Basso Jr.

Roteiro pelo norte da Espanha: o que visitar

11 de março de 2018

Por Paulo Basso Jr.

O norte da Espanha é uma região repleta de boas surpresas para os viajantes. Ali dá para provar bons vinhos no País Basco, visitar obras de Gaudí, ir a praias e peregrinar até a mítica cidade de Santiago de Compostela.

LEIA MAIS: O QUE FAZER EM BARCELONA: ROTEIRO DE 4 DIAS
O QUE FAZER EM BILBAO: ROTEIRO DE 3 DIAS
O QUE FAZER EM SAN SEBASTIÁN: ROTEIRO DE 3 DIAS

Dá para fazer o roteiro de carro ou mesmo cruzar o norte da Espanha de trem. Confira os principais pontos de interesse ao longo do caminho.

Mapa do norte da Espanha: roteiro passa por diversas cidades históricas

Norte da Espanha

Zaragoza

De Madri parte um trem AVE, o mais rápido da Espanha, para Zaragoza, já no norte do país. A cidade conta diversos pontos de interesse e serve de aperitivo para quem deseja se render à deliciosa gastronomia espanhola.

Área da Expo

Um dos destaques de Zaragoza é a área construída para a Exposição Internacional de 2008. O local tem um paisagismo futurista e reúne diversos pavilhões, como o de Aragón e o de España. Há ainda pontes, esculturas e a linda Torre del Agua, erguida junto ao belo Parque del Agua.

Basílica de Nossa Senhora do Pilar

Paulo Basso Jr.

Basílica de Nossa Senhora do Pilar, em Zaragoza

A principal atração de Zaragoza, no entanto, é a Basílica de Nossa Senhora do Pilar. Com arquitetura imponente e cúpulas pintadas de verde, amarelo, azul e branco, que curiosamente lembram a bandeira do Brasil, o local atrai peregrinos que desejam se ajoelhar e tocar na parte de trás da imagem da padroeira das nações hispânicas (apenas crianças pequenas podem beijar e tocar na parte da frente da santa).

A basílica guarda ainda duas obras de Francisco de Goya, um dos maiores pintores da Espanha.

Palácio da Aljafería

Paulo Basso Jr.

Palácio da Aljafería, em Zaragoza

Antes de seguir viagem pelo norte da Espanha, passe pelo Palácio da Aljafería. Parecida com um castelo, a edificação serviu como residência real espanhola e conta com diversos motivos mouros, herança da época em que os mulçumanos dominaram a Península Ibérica.

La Rioja, no País Basco

A experiência gourmet do roteiro espanhol tem um dos seus auges no segundo dia de viagem, durante a visita guiada à região de La Rioja, onde são produzidos alguns dos melhores vinhos espanhóis.

Por lá, despontam algumas vinícolas-design, como a Marqués de Riscal, situada em uma área repleta de parreiras deslumbrantes em pleno País Basco, um dos destinos enogastronômicos mais venerados do mundo.

Marqués de Riscal

Paulo Basso Jr.

Marqués de Riscal, em La Rioja

Durante o tour pela Marqués de Riscal é difícil saber o que impressiona mais: a qualidade das apresentações a respeito da produção do vinho local, os armazéns com barris perfeitamente organizados ou o arrojado hotel construído em meio a vinícola, cujo projeto é assinado pelo canadense Frank O. Gehry, o mesmo do Museu Guggenheim de Bilbao.

E olha que ainda há uma quarta opção: os vinhos tintos e brancos servidos ao fim do passeio em uma varanda com vista para os vilarejos locais, todos eles cercados por belíssimas parreiras.

Paulo Basso Jr,

Fachada da Marqués de Riscal, em Rioja

Burgos

O roteiro pelo norte da Espanha de trem ou carro pode seguir então para Burgos. A entrada na cidade, situada na província de Castela-León, se dá de modo triunfal, ao atravessar o Arco de Santa Maria, o portão mais majestoso que sobrou do antigo muro medieval que cercava a região.

Catedral de Burgos

Paulo Basso Jr.

Catedral de Burgos

Alguns passos adiante está a terceira maior catedral da Espanha, atrás apenas das de Sevilha e Toledo. Erguida em estilo gótico, tem altares suntuosos e foi declarada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade em 1984.

Caminho de Santiago

Em frente à igreja é comum avistar peregrinos que seguem a pé para Santiago de Compostela, com mochilas nas costas e bastão de apoio para facilitar a caminhada. Isso porque Burgos é um dos principais pontos do trajeto francês, o mais famoso entre os que seguem para a histórica cidade da Galícia.

Atapuerca

Burgos também serve de apoio para quem deseja visitar um sítio histórico que retrata uma peregrinação muito, mas muito mais antiga que a de Compostela pelo norte da Espanha. Trata-se de Atapuerca, uma das áreas arqueológicas mais importantes do mundo.

Paulo Basso Jr.

Sítio histórico de Atapuerca

Por conta da construção de uma linha de trem que, anos atrás, cortaria a serra situada a 15 km de Burgos, ali se descobriu os restos humanos mais antigos da Europa e o maior depósito de fósseis humanos da história.

Durante o tour pelo local, especialistas contam um pouco sobre a evolução da espécie nos últimos 900 mil anos.

Astorga

Astorga, outro destino que vale ser visitado por um roteiro pelo norte da Espanha, reúne duas das joias arquitetônicas mais fotogênicas do trajeto:: o Palácio Episcopal e a Catedral de Astorga.

Palácio Episcopal e a Catedral de Astorga

Paulo Basso Jr.

Palacio Episcopal de Astorga

Localizadas uma de frente para outra, a enorme catedral de estilo gótico e barroco da cidade e o Palácio Episcopal, que mais parece um castelo de contos de fadas cercado por um lindo jardim, são os símbolos de Astorga.

Paulo Basso Jr.

Detalhe da Catedral de Astorga

A igreja serve de refúgio para muitos peregrinos que seguem para Santiago de Compostela. O palácio, por sua vez, é uma das três únicas edificações construídas por Antoni Gaudí fora de Barcelona.

Feira às terças

Paulo Basso Jr.

Churros salgados na feira de Astorga

Todas as terças-feiras há uma feira no centro de Astorga. Nela é possível comprar roupas, lenços e sapatos baratos, além de provar deliciosos churros salgados.

Símbolos dos peregrinos

Paulo Basso Jr.

Estátua do Peregrino, em Astorga

Andando por Astorga, é fácil se deparar também com albergues, esculturas que simbolizam a peregrinação a Santiago de Compostela, placas da concha de vieira que simboliza o caminho e, claro, peregrinos, já que a cidade está na confluência de dois dos mais importantes caminhos de Santiago: o francês e a Via de la Plata, que tem início em Sevilha, no sul da Espanha.

Ponferrada

Astorga está ligada a 1h30 de trem pelo norte da Espanha com a linda cidade de Ponferrada

Castillo de Ponferrada

Paulo Basso Jr.

Castillo de Ponferrada

O principal ponto de interesse local é o Castillo de Ponferrada, uma edificação templária do século 11. Mais do que visitar o castelo, é possível almoçar dentro dele.

Algumas vezes, a recepção se dá em alto estilo: dos dois lados da ponte que dá acesso à construção milenar, filas de mulheres vestidas com capas e bandeiras brancas bordadas com cruzes vermelhas saudam os convidados.

Paulo Basso jr.

Mulheres vestidas de templárias, no Castillo de Ponferrada

Já em uma sala do interior do castelo, aberta apenas em ocasiões especiais, é possível saborear saladas, porções de polvo temperadas com páprica e carne de porco, além de vinhos muito bem selecionados.

Las Médulas

Las Médulas é uma área nos arredores de Ponferrada que corresponde ao que restou de uma antiga exploração de ouro pelos romanos que dominaram a região.

O parque, ao qual se chega de ônibus, é pontuado por túneis, cavernas e pedaços rochosos escarpados de uma antiga montanha que foi detonada pela ação do homem.

Paulo Basso Jr.

Las Médulas, no norte da Espanha

O resultado, apesar de não ter sido uma obra da natureza, é belíssimo, sobretudo no fim da tarde, quando as rochas ganham tons alaranjados.

Também parte dos caminhos de Santiago, Las Médulas são o cenário perfeito para meditar ao final do dia antes de seguir viagem rumo a um dos pontos mais desejados do norte da Espanha: Santiago de Compostela.

Corunha

Paulo Basso Jr.

Mirante da Torre de Hércules, na Corunha

Uma vez na Galícia, vale a pena visitar Corunha. A cidade tem belas praias, onde as espanholas fazem topless, bem como feiras medievais realizadas durante o verão, uma praça histórica cercada de cafés, chamada Maria Pita, e a Torre de Hércules, do século 2º, o farol romano mais antigo que continua em pé no mundo.

Santiago de Compostela

Entre os inúmeros mistérios que rondam as míticas rotas que, desde o século 9º, levam multidões de peregrinos a Santiago de Compostela, cidade situada na Galícia, ao norte da Espanha, a história mais aceita a respeito da concha de vieira, o principal símbolo do trajeto, é uma das que mais despertam curiosidade.

Paulo Basso Jr.

Imagem da concha espalhada pelo Caminho de Santiago no norte da Espanha

Reza a lenda que os sulcos que se formam no casco e partem rumo ao centro do molusco típico da região indicam que, de uma forma ou de outra, “todos os caminhos levam a Santiago”.

História

A cidade de Santiago de Compostela foi fundada no século 9º, quando o suposto túmulo de São Tiago Maior, um dos apóstolos de Jesus Cristo, teria sido encontrado na região. A partir de então, o local se transformou em um dos maiores centros de peregrinação o mundo, atrás apenas de Roma, na Itália, e Jerusalém, em Israel.

Paulo Basso Jr.

Catedral de Santiago de Compostela

Diário de um Mago

Desde que a catedral foi erguida nos séculos 11 e 12 para guardar as relíquias de São Tiago, o número de pessoas que se dirigem para a cidade aumentou progressivamente, chegando a alguns milhares nas décadas de 1970 e 1980. Porém, foi com a popularização do livro O Diário de um Mago, de Paulo Coelho, que o caminho explodiu. Assim, desde o início dos anos 1990, cerca de 200 mil peregrinos passaram a ir para lá todos os ano.

Obradóiro

O Obradóiro é a praça que guarda a Catedral de Santiago de Compostela. No dia 25 de julho, o local fica lotado de peregrinos, viajantes comuns e nativos ávidos por assistir a um espetáculo grandioso de fogos e luzes que é realizado em torno da catedral.

Divulgação

Restaurante no Parador dos Reis Católicos

A praça também serve de palco para o Parador dos Reis Católicos, prédio que fica em frente à catedral e foi usado historicamente como centro de hospitalidade dos peregrinos antes de se transformar em um hotel cinco estrelas.

Catedral de Santiago de Compostela

Diante da monumental Catedral de Santiago de Compostela parece realmente emanar uma energia diferente, bastante positiva, que parece ser ainda mais contagiante dentro da igreja.

Um dos destaques é Pórtico da Glória, a obra em que os peregrinos costumavam tocar para celebrar o cumprimento do trajeto – hoje, o portal, que ficou célebre por ser um dos primeiros da história a ter a presença de santos sorrindo, está cercado por grades e não pode ser tocado.

Paulo Basso Jr.

Altar da Catedral de Santiago de Compostela

No altar, desponta outro símbolo da catedral: o botafumeiro, uma espécie de defumador de 1m60 que, em ocasiões especiais, é erguido por oito pessoas e balançado por toda a igreja de modo a soltar muita fumaça. Diz a lenda que o rito foi criado para diminuir o mau cheiro provocado pelo odor corporal dos peregrinos que chegavam ao local após caminhar por dias.

Na parte de trás do altar, é comum ver peregrinos abraçando a estátua de São Tiago. É ali que fica também a urna que corresponde ao suposto túmulo do apóstolo. Independentemente de fé ou religião, a cena é comovente e revela toda a compensação pelo esforço de se chegar até lá.

Pontos de interesse além da catedral

Do lado de fora da igreja, Santiago de Compostela tem ainda mais a oferecer. É uma delícia caminhar pelas praças e ruas medievais da cidade, todas elas construídas de modo a direcionar as pessoas à catedral e permitir que, de longe, se aviste suas enormes torres.

Na Calle Franco, repleta de restaurantes, tabernas e lojas que vendem toda sorte de conchas, é possível visitar um dos claustros que hoje pertence à universidade local, uma das maiores da Espanha.

É pelo fato de reunir muitos jovens universitários e viajantes, inclusive, que Santiago de Compostela vive em clima de animação constante e celebra diversas festas.

Rias da Galícia

Paulo Basso Jr.

Passeio de barco em Vilagarcía de Arousa

A partir de Santiago de Compostela é possível seguir para o litoral ad Espanha, onde dá para fazer passeios de barco em Vilagarcía de Arousa. As embarcações geralmente ancoram ao lado de viveiros de mariscos, onde é possível prová-los frescos e dar comida no bico de gaivotas.

Paulo Basso Jr.

Igreja em Pontevedra, na Galícia

Vilagarcía de Arousa fica em meio a uma das formações geográficas caraterísticas da região, as rias, oriundas de uma foz de rio que invade a costa e dá corpo a braços de água que permeiam vales submergidos. O visual é semelhante ao dos fiordes e salta aos olhos nos arredores de Pontevedra, O Grove e Sanxenxo, alguns dos destinos litorâneos de férias prediletos dos espanhóis.

Paulo Basso Jr.

A simpática vila de Cambados

Com tempo, vale a pena ainda visitar Cambados, uma pequena vila praiana da Galícia, onde é possível visitar lojinhas e comprar o vinho branco típico da região, o Alvarinho.

Vigo

Paulo Basso Jr.

Marina de Vigo, no norte da Espanha

Pelo norte da Espanha de trem ou carro dá para chegar também a Vigo, cidade industrial marcada por uma marina que permite agradáveis passeios à beira-mar e pela histórica La Piedra, uma rua recheada de restaurantes que servem ostras. É um ótimo lugar para fechar a viagem com estilo.

Reportagem adaptada de texto original publicado na revista Viaje Mais – Especial Trens, parceira do Rota de Férias.