• Crédito: Divulgação

    Vila Capivari

  • Crédito: Divulgação

    Tirolesa no Tarundu

  • Crédito: Divulgação

    Vila Capivari

  • Crédito: Divulgação

    Bondinho

5 DIAS EM CAMPOS DO JORDÃO


HÁ MUITO QUE SE VER E FAZER NO DESTINO DE INVERNO MAIS BADALADO DO BRASIL

1 º dia +

Mapa da sua rota

De Capivari ao Itapeva

– Se esta é a sua primeira vez em Campos do Jordão, comece o dia batendo perna pelas lojinhas, bares e restaurantes que transformaram a Vila Capivari no point mais badalado da cidade. Confira os plátanos ao longo da Avenida Dr. Januário Miraglia, a arquitetura alpina, os chocolates, as vitrines de malhas e calçados dos minishoppings e o burburinho que toma conta das ruas Djalma Forjaz, Dr. Vítor Godinho e Macedo Soares.

– Quase todas as ruas de Capivari são planas e cheias de lugarzinhos charmosos. Mas, se você estiver cansado de caminhar, siga na direção da praça próxima à Avenida Dr. Emílio Lang Jr. Ali, você pode subir de teleférico até o topo do Morro do Elefante (são 1.300 m percorridos em 10 minutos) ou fazer um city tour de jardineira, chamado Trenzinho da Montanha. Os passeios não são caros, mas nenhum deles proporciona grandes vistas da cidade.

– Na volta, siga na direção do Boulevard Genève para almoçar uma sequência de fondue em algum restaurante badalado, tomar a famosa cerveja artesanal da Baden Baden em mesinhas espalhadas pela calçada ou saborear um chocolate quente na Praça de São Benedito. Para muita gente, ver e ser visto ali já é um baita programa.

– Dá para passar a tarde inteira ali, só bebericando, vendo vitrines e curtindo o clima de badalação. Mas se você prefere ir mais longe, pegue o carro e siga até alguns pontos relativamente próximos de Capivari, como as cascatas da Ducha de Prata, o Parque da Floresta Encantada e o Bosque do Silêncio (na Altus Turismo Ecológico), que tem o maior circuito de arvorismo da cidade, com 28 travessias em 2 km de passarelas. Também há paintball, minigolfe e trilhas autoguiadas.

– Por fim, confira o pôr do sol no Pico do Itapeva, o ponto mais alto da região, com 2.035 m de altitude. Com céu aberto, você avista até 15 cidades do Vale do Paraíba.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
2 º dia +

Mapa da sua rota

Natureza e aventura

– Se o tempo estiver firme, comece o dia com uma visita ao Horto Florestal, que dispõe de restaurante, orquidário e várias trilhas em meio a florestas de araucária e pinho-bravo. Quatro trilhas são abertas ao público, que ainda pode praticar arvorismo, tirolesa ou alugar bicicletas. Trata-se do parque estadual mais antigo de São Paulo.

– Depois, faça um pit stop no borboletário Flores que Voam. O melhor horário é das 11h às 13h30, quando as borboletas batem asas em meio aos visitantes para absorver melhor a luz do sol.

– A propriedade mais procurada pelos ecoturistas de plantão, no entanto, é o Rancho Santo Antônio (Aventura no Rancho), que oferece combos de atividades que reúnem arvorismo, tirolesa e rapel em três níveis de dificuldade, além de um campo de paintball e boa estrutura para cavalgadas.

– A Quad Mania, em Capivari, aluga quadriciclos para quem quer encerrar a tarde desbravando outros recantos naturais da região, com ou sem alguém na garupa. Normalmente, os passeios duram entre 30 minutos e duas horas. Já os aficionados por anzóis podem seguir até o pesqueiro Truticultura da Cachoeirinha.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
3 º dia +

Mapa da sua rota

Roteiro cultural e gastronômico

– Dedique este dia à região que engloba o Alto da Boa Vista e a Vila Santa Cruz. Para começar, visite um dos grandes ícones da gastronomia local: a fábrica da Baden Baden. No tour pela cervejaria, você conhece o processo de produção da bebida, recebe dicas de harmonização e ainda tem a oportunidade de degustar os chopes Cristal e Bock. A visita deve ser agendada e ocorre de hora em hora, desde as 10h até as 17h.

– Além de natureza, compras e boa gastronomia, Campos do Jordão dispõe de um razoável leque de opções culturais. A maior parte delas se concentra no Alto da Boa Vista, onde há três grandes atrações gratuitas. Uma delas é o Auditório Claudio Santoro, palco principal do maior festival de música erudita da América Latina, realizado todos os anos, em julho.

– A sala de concertos fica junto do Museu Felícia Leirner, cujo acervo a céu aberto abrange cerca de 90 esculturas da artista polonesa espalhadas pelos jardins. Vale subir até o mirante natural da área verde para conferir a vista da Pedra do Baú e tirar uma foto ao lado de uma das obras mais imponentes de Felícia. O complexo funciona de terça a domingo, das 9h às 18h.

– Almoce no elegante bistrô do auditório ou deixe para fazer a refeição na próxima parada: o Palácio Boa Vista, que também dispõe de um café com incrível visual panorâmico da Mantiqueira.

– Residência de inverno do governador de São Paulo, a construção em estilo inglês abriga quadros de modernistas do quilate de Tarsila do Amaral, Cícero Dias, Vicente do Rego Monteiro, Volpi e Portinari. A visita guiada ao palácio, no entanto, detém-se mais à ostentação do mobiliário, farto em mognos e jacarandás, além de lareiras de mármore e lustres de cristal. Dura cerca de 30 minutos, de quarta a domingo.

– Na sequência, antes que o astro-rei desapareça no horizonte, corra até o Mosteiro São João para assistir ao recital de canto gregoriano que ecoa da capela todos os dias, religiosamente a partir das 17h45. Se possível, chegue meia hora antes, pois a lojinha que vende pães, geleias e bolos caseiros só funciona até as 17h15.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
4 º dia +

Mapa da sua rota

Aventura e contemplação

– Depois de um dia inteiro em museus, é hora de apreciar um pouco mais a natureza da Mantiqueira e – por que não? – se aventurar em algumas atividades radicais. Comece o dia com uma visita ao Amantikir – Jardins que Falam, ponto imperdível para os amantes de botânica, com labirintos de grama, estufa e cerca de 20 espaços floridos que soam como poesia aos olhos. Dá vontade de passar a manhã inteira ali, só contemplando o paisagismo.

– Na hora do almoço, dirija mais três minutos pela Estrada Municipal do Toriba até a Fazenda Lenz, que tem um zoo com animais típicos de propriedades rurais, um mirante com vista para o Vale do Lageado, cachoeira e um excelente restaurante comandado pela chef Eliana Lenz, com especialidades alemãs, vegetarianas e sobremesas deliciosas. Aproveite a lojinha para levar geleias, pães, compotas artesanais e o famoso LenzCake (bolo inglês com frutas  cristalizadas e nozes).

– Perto dali, pela mesma estrada, o irmão de Eliana, Ricardo Lenz, oferece doses extras de adrenalina no Tarundu, parque de aventura que oferece 34 atividades, desde arvorismo, passeios a cavalo e paintball até patinação no gelo e a orbit ball – bola inflável que rola ladeira abaixo com você dentro. São tantas atrações que muitas famílias optam por passar o dia inteirinho ali, se divertindo.

– Por isso, se você estiver com os filhos e for apaixonado por anzóis, aproveite o percurso para visitar o pesqueiro Truta Azul antes de chegar ao Tarundu. Afinal, com tamanho leque de opções de diversão, não será nada fácil arrancar as crianças do centro de lazer antes que o sol se ponha…

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
5 º dia +

Mapa da sua rota

Nos trilhos

– Todos os dias, às 10h e às 14h, um trem turístico parte do Capivari rumo à vizinha Santo Antônio do Pinhal. O percurso de ida e volta custa R$ 45 e dura cerca de duas hora e meia, passando pelo trecho ferroviário mais alto do País, a 1.743 m do nível do mar.

– Na chegada a Santo Antônio, todos os passageiros vão ao Bolinho de Bacalhau & Cia, que serve croquetes de truta e, claro, de bacalhau, tudo frito na hora.

– Da mesma estação em Campos do Jordão sai, de hora em hora, entre 10h e 17h, o bondinho que percorre a área urbana da cidade, num percurso de 7 km cumpridos em 50 minutos.

– Depois de tantos dias perambulando em Campos, no entanto, você dificilmente vai querer fazer esse passeio de “reconhecimento” da cidade. Por isso, prefira ver de perto a produção de bombons da fábrica Araucária, que fica perto da estação, na Avenida Macedo Soares. A visita é gratuita e, na alta temporada, eles permanecem abertos até o último cliente.

– Outra boa opção de programa é a Casa da Xilogravura, no Bairro do Jaguaribe. Lá, vídeos e obras mostram a evolução das técnicas artísticas no processo de gravação em relevo que utiliza a madeira como matriz. O acervo reúne nomes como Lasar Segall, Lívio Abramo, Oswaldo Goeldi, Marcelo Grassman e Maria Bonomi. Com sorte, o tour pelo casarão pode ser guiado pelo idealizador do projeto, o professor Antonio Costella.

– E para encerrar a estada com chave dourada, jante um fondue de queijo regado a um dos excelentes vinhos disponíveis no meu do restaurante Toribinha, no Hotel Toriba.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.

Serviços

Restaurantes+

Baden Baden (https://www.badenbaden.com.br/)

É o ponto mais badalado de Campos graças à fama de sua cerveja artesanal.

Lenz Gourmet (http://www.lenz.com.br/)

Criativa, a chef Eliana Lenz altera o cardápio todo santo dia, sempre incluindo opções de carne, peixe, uma receita vegetariana e um prato infantil. A Salsicha LenzGolden e o bolo Lenz Cake ocupam lugar cativo no menu.

Le Foyer (http://www.chateaulavillette.com.br/restaurante/)

O fondue de queijo já foi eleito o melhor da cidade, mas é preciso reservar. Fica dentro do Chateau La Villette.

Matterhorn (http://www.matterhorn.com.br/)

Fica na parte de cima de um empório, bem no epicentro da Vila Capivari. A sequência de fondue com música ao vivo no jantar é excelente.

Toribinha (http://www.toriba.com.br/gastronomia-toribinha-bar-e-fondue.html)

Tem um dos melhores fondues da cidade e uma excelente carta de vinhos. Tudo servido em clima intimista, dentro das belas dependências do Hotel Toriba.

Libertango (http://www.libertango.com.br/)

Serve a autêntica parrilla argentina ao som de tango e com direito a alfajor de sobremesa.

Harry Pisek (http://www.pousadaharrypisek.com.br/)

É um dos melhores restaurantes alemães do Brasil. Destaque para as salsichas, de fabricação própria, servidas com geleias e mostardas, e para o eisbein (joelho de porco), um clássico da casa.

Hotéis+

Chateau La Villette (http://www.booking.com/hotel/br/chateau-la-villette.pt-br.html)

O ambiente classudo e intimista faz o hóspede se sentir um convidado do casarão, que não aceita menores de 14 anos.

Estoril (http://www.booking.com/hotel/br/estoril.pt-br.html)

Não tem luxo, mas fica no ponto mais animado de Capivari e oferece preços bem em conta.

Toriba (http://www.booking.com/hotel/br/toriba.pt-br.html)

Tradicional, fica afastado do burburinho, em uma bela área verde com minifazenda, dois bares, dois restaurantes e um spa L’Occitane. Os chalés esbanjam charme e espaço.

Grande Hotel Campos do Jordão (http://www.booking.com/hotel/br/grande-campos-do-jordapso.pt-br.html)

Na década de 1940, o prédio abrigou um luxuoso cassino. Hoje, tem restaurantes de primeiríssima qualidade, bar com lareira, recreação, cinco trilhas e um excelente health club com sauna, piscina aquecida, massagem e academia.

Frontenac (http://www.booking.com/hotel/br/frontenac.pt-br.html)

É refinado, com serviços primorosos e localização privilegiada, bem na Vila Capivari.

PEDRA DO BAÚ+

ALTUS TURISMO (http://www.altus.tur.br/)

O conjunto formado pelas pedras do Baú, Bauzinho e Ana Chata, na cidade vizinha de São Bento do Sapucaí, é sonho de consumo de todo alpinista que visita Campos do Jordão. Praticantes de trekking e voo livre também procuram o local, que situa um dos pontos mais altos da região, com 1.950 m de altitude. Como há várias opções de trilha, o passeio pode durar o dia inteiro, sendo importante a contratação de um guia para evitar que mudanças climáticas como chuva e neblina comprometam as condições da estrada, dos trajetos a pé e a própria segurança na subida das rochas por uma escada com ganchos de ferro presos na pedra – o que exige lançar mão de cordas e mosquetões. O trekking pode ter variações, como passar também pela Pedra do Bauzinho e terminar na Ana Chata, onde você sobe 40 m até uma gruta e desce de rapel. Em Campos, a agência Altus Turismo oferece a aventura.

Booking.com