Crédito:

16 motivos para visitar a Polinésia Francesa

6 de fevereiro de 2019

Por Redação

Afastada de tudo, num lugar privilegiado do mundo, em meio ao Pacífico Sul, a Polinésia Francesa é um arquipélago composto por 118 ilhas. Entre elas estão destinos altamente desejados, sobretudo por casais em lua de mel, como Bora Bora, Moorea e a capital, Taiti. Motivos para visitar a Polinésia Francesa, por tanto, não faltam, mas confira aqui como fazer uma viagem dos sonhos para lá.

Siga a cobertura de nossos repórteres por todo o mundo, diariamente, no Instagram @rotadeferias, com direito a belas fotos e stories curiosos.

Motivos para visitar a Polinésia Francesa

1. Rituais da polinésia francesa

Divulgação
Rituais no Tahiti | Divulgação

Rituais de casamento rolam aos montes na Polinésia francesa

Dizer o “sim” em um lugar como esse, em uma cerimônia polinésia tradicional, é uma experiência e tanto. Diversas agências ajudam a organizar tanto a cerimônia civil quanto a polinésia tradicional. Mais de 30 hotéis e resorts na Polinésia Francesa oferecem serviços customizados, capelas e pacotes de casamento.

2. Fazer uma viagem relaxante

Divulgação
Spa no Tahiti | Divulgação

Spa na Polinésia Francesa

Para quem vai  visitar a Polinésia Francesa, é bom saber que o local conta com inúmeros spas de alta qualidade, em geral localizados em hotéis como The Brando, em Tetiaroa, Four Seasons e o St. Regis, em Bora Bora, Intercontinental e Manava Suite Resort, em Papeete (Taiti), ou Kia Ora, em Rangiroa. Ali você pode fazer lavagem corporal com baunilha, esfoliação corporal com areia e arroz, coco ralado, sal marinho e outros tratamentos. 

3. Alugar uma embarcação e navegar por águas claras

Divulgação
Embarcação no Tahiti | Divulgação

Fazer passeios de barco é uma delícia na Polinésia Francesa

Você pode fazer sua própria viagem para descobrir belas ilhas a bordo de uma embarcação alugada, com tripulação disponível para navegar em itinerários flexíveis, à sua escolha.

4. Conhecer a cultura polinésia

Divulgação
Cultura da Polinésia | Divulgação

A cultura da Polinésia Francesa é bastante particular

Tatuagem, tecelagem, bordado, entalhe na madeira e na pedra, fabricação de tambores e pareus pintados à mão são itens típicos nos quais você encontrará a história e a cultura da polinésia traduzidas em arte.

5. Participar do maior evento de Tattoo do mundo

Divulgação
Evento de tatuagem no Tahiti | Divulgação

Evento de tatuagem no Taiti

Evento internacional e cultural que teve início em 2015, o famoso festival de tatuagem da Polinésia Francesa reúne mais de 15 mil visitantes por ano. A celebração promove, protege e valoriza a tatuagem polinésia – sinais de beleza, e, em épocas anteriores, parte importante da vida da população local, pois sinalizavam o fim da adolescência.

6. Hospedar-se em pousadas de famílias locais

Divulgação
Pousadas locais | Divulgação

Pousadas familiares são uma boa dica de economia ao visitar a Polinésia Francesa

As acomodações locais representam bem a vida cotidiana da região. Em diversas ilhas há pequenas hospedarias, hotéis familiares e pousadas autênticas, perfeitas para quem deseja se conectar com o lifestyle dos polinésios. São propriedades de um a doze quartos ou bangalôs, nas praias, nas montanhas ou vales, ou dentro de uma vila, variando até uma casa de família ou residência privada, muitas vezes com tudo incluso.

7. Adquirir a rara pérola negra da Polinésia Francesa

Divulgação
Pérola negra do Tahiti | Divulgação

Pérola negra da Polinésia Francesa

As águas quentes das lagoa que se formam no interior das ilhas e atóis são a escolha da natureza para o cultivo da pérola negra da Polinésia Francesa. Com grande variedade de preço, que aumenta de acordo com formato, cor ou tamanho, as gemas podem ser encontradas em lojas e fazendas de pérolas confiáveis.

O epicentro do cultivo encontra-se nas ilhas Fakarava, formadas por pequenas e adoráveis ilhotas com um anel ao seu redor. Fakarava, aliás, é o segundo maior atol dos Tuamotus, o maior dos arquipélagos polinésios.

LEIA MAIS: CINCO HOTÉIS ESPETACULARES NAS ILHAS DA POLINÉSIA
POR QUE AS ILHAS DA POLINÉSIA SÃO TÃO LINDAS

8. Caminhadas

Divulgação
Caminhada na mata local | Divulgação

Fazer caminhada é uma boa maneira de visitar a Polinésia Francesa

Os fãs de esportes costumam se dar bem na Polinésia Francesa. Quem gosta de uma boa caminhada pode se aventurar pelas múltiplas possibilidades de rotas e paisagens disponíveis nas ilhas.

As trilhas oferecem percursos com diferentes níveis de dificuldades e incluem desde rotas litorâneas, que passam próximas a riachos remotos, até a travessia de rios, terrenos desafiadores, subidas a cumes que atingem mais de 2.000 metros de altura e rochas vulcânicas particularmente quebradiças.

Para a prática, é de vital importância a contratação de um guia local. Fazer um check-up médico antes de viajar com essa finalidade também é recomendado.

9. Observar raros pássaros marinhos

Divulgação
Pássaros marinhos | Divulgação

Pássaros marinhos

Os adeptos e praticantes de birdwatching terão muito o que observar no arquipélago de Tetiaroa. O destino é um santuário de pássaros e também de espécies marinhas, como tartarugas.

Entre as ilhotas, Tahuna Iti, a ilha dos pássaros, conta com uma reserva nacional para aves marinhas. Por lá é possível avistar animais raros, como fragatas, popas, caudas de palha, alcatrazes marrons e outros.

10. Golfe e Dança do Fogo em Moorea

Divulgação
Dança do fogo | Divulgação

Dança do fogo

Moorea é uma das ilhas mais famosas da Polinésia Francesa. Por toda a sua extensão territorial, pipocam pontos de interesse para os turistas que a visitam. Entre eles, há de se destacar as praias para mergulhos de snorkel, a hotelaria estrelada, as trilhas e outros atrativos.

O campo de golfe Green Pearl é um dos destaques da região. Com 18 buracos, foi projetado por Jack Nicklaus, o maior campeão de torneios Major de todos os tempos.

Quem vai a Moorea também pode apreciar a Dança do Fogo, tradição polinésia que consiste em um balé de chamas dançantes ao anoitecer, na área da praia.

11. Visitar os templos sagrados Marae de pedras mecca

Divulgação
Templos sagrados Marae | Divulgação

Templos sagrados Marae

Huahine, com suas florestas, paisagem e vilas exóticas, é um dos lugares marcantes da Polinésia Francesa. Na ilha, é possível visitar lugares como os Templos Sagrados Marae, que são feitos de pedra mecca.

Há mais de 200 estruturas arqueológicas de pedra na ilha, que além de sobreviverem por séculos, estão dispostas próximas umas das outras. 

Outro atrativo que faz do destino um roteiro interessante, é o fato de que evidências históricas apontam Huahine como a ilha com a data de registro de ocupação humana mais antiga de toda a Polinésia Francesa.  

12. Visitar as plantações de baunilha

Divulgação
Plantação de baunilha | Divulgação

Plantação de baunilha

As ilhas de Raiatea e Taha’a são circundadas pelo mesmo recife, compartilham a mesma lagoa e apresentam atrações distintas.

A primeira, Raiatea, é considerada pelos polinésios antigos como um solo sagrado. Para quem visita a Polinésia Francesa, trata-se de um lugar ótimo para a pratica de mergulhos noturnos ou diurnos.

No sudeste da ilha, em Marae Taputapuatea, há um templo vulcânico acidentado que oferece uma visão do passado, de quando as tribos dominavam a polinésia. O local é reconhecido como Patrimônio Mundial da UNESCO em 2017.

Já a segunda extensão de terra é Taha’a. O ar com cheiro de baunilha, que é levado pela brisa que flui pelos morros, indica a presença de numerosas fazendas de baunilha, um dos atrativos locais que podem ser visitadas pelos turistas. Os tours incluem caminhadas entre as fileiras de orquídeas, trepadeiras e uma demonstração do processo de polinização e cura.

13. Café da manhã na va’a, típica canoa polinésia, em Bora Bora

Divulgação
Café da manhã na Va’a | Divulgação

Café da manhã levado por uma va’a, em Bora Bora

Para quem vai visitar a Polinésia Francesa, Bora Bora é um destino fundamental. Suas praias de areias brancas são um verdadeiro convite ao desfrute em suas águas azul-marinho, onde peixes de cores tropicais animam os jardins de corais.

Um dos destaques do destino é o café da manhã servido na va’a (barcos típicos da região), uma autêntica experiência polinésia. A refeição é trazida até a sacada privativa dos bangalôs ou até as vilas sobre as águas, por meio de uma canoa polinésia, comumente decorada com flores.

A embarcação transporta polinésios que servem frutas frescas, bolos e sucos, enquanto as águas ao redor começam a dar as boas-vindas ao sol nascente do Pacífico Sul. É uma experiência sem igual!

14. Mergulhar nos atóis de Rangiroa

Divulgação
Vida marinha no local é muito famosa | Divulgação

A vida marinha no local rende experiências estonteantes

Rangiroa é o segundo maior atol do mundo e está disposto em uma região com cerca de 240 ilhotas, que se unem por 177 quilômetros envolto de uma profunda lagoa.

O circuito de ilhas é cercado por diferentes tipos de águas: Moana-tea (Oceano Pacífico), que define a lagoa, e Moana-uri (Oceano Selvagem), onde baleias, raias jamantas, golfinhos e tubarões desfilam entre os afortunados que viajam para vivenciar essa experiência.

15. Fauna marinha de Tikehau

Divulgação
Fauna marinha | Divulgação

Fauna marinha

Tikehau é um destino muito conhecido pelos fãs de mergulho. Segundo Jacques Cousteau, renomado oceanógrafo e inventor francês, a lagoa reúne a maior concentração de peixes de Tuamotu. As tartarugas marinhas e os tubarões negros são abundantes. Por isso, o destino é perfeito para observar a vida marinha de diferentes perspectivas.  

16. Hospedar-se nos famosos bangalôs sobre as águas

Divulgação
Acomodações flutuantes | Divulgação

Quem visitar a Polinésia Francesa pode ficar em bangalôs sobre as águas

Os bangalôs sobre as águas, erguidos pela primeira vez na década de 1960, por três amigos provenientes da Califórnia, marcam hoje diversas ilhas da Polinésia Francesa.

Quem optar por um hotel que oferece essa experiência pode dormir em suítes equipadas com terraços privativos, piscinas de borda infinita ao lado da cama, redes, banheiras e pisos de vidro para contemplação de peixes, arraias e inofensivos tubarões tropicais, que nadam logo abaixo de seus pés.