30 de dezembro de 2017
  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Bora Bora é a ilha mais visitada da Polinésia Francesa. Diversos hotéis de luxo com bangalôs sobre as águas se espalham pela lagoa que circunda o Monte Otemanu, símbolo local

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Praias de areias brancas que parecem talcos banhadas por águas azul-turquesa tomam conta de Bora Bora, umas das 118 ilhas do arquipélago

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Bangalôs overwater do Four Seasons Resort Bora Bora. Uma hospedagem por lá custa de € 1.299 por noite com café da manhã a € 15.000 na villa principal, com tudo incluso

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    A piscina principal do Four Seasons Resort Bora Bora conta com uma jacuzzi belíssima

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Em volta da piscina do Four Seasons Resort Bora Bora, há barracas de luxo como essa, onde dá para relaxar em alto estilo

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Atividades náuticas, restaurantes gourmet, lagoas para mergulho com snorkeling e o ótimo serviço se destacam no Four Seasons Resort Bora Bora. Não à toa, famosos como Justin Bieber já se hospedaram por lá

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Para sair dos hotéis, o melhor esquema é contratar passeios em pequenos barcos, catamarãs ou lanchas rápidas. Elas levam até os lugares mais lindos de Bora Bora

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    À noite, o esquema é curtir o jantar no hotel. Se você der sorte, pode até pegar um luau

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Piscina do The St. Regis Bora Bora Resort, outro resort bam bam bam da ilha com vista para o Monte Otemanu

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Há 77 espaçosos bangalôs sobre as águas à piscina no The St. Regis Bora Bora Resort. Os preços das diárias vão de € 815 com café da manhã até € 10.000 na principal villa, que fica na praia.

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Praia particular do The St. Regis Bora Bora Resort. Ali dá para relaxar ou praticar esportes náuticos, como stand up paddle

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Passear de lancha é o melhor jeito de conhecer as maravilhas naturais de Bora Bora

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Passeio de lancha com estilo em Bora Bora. Hora de tomar sol, descansar e curtir um dos visuais mais lindos do mundo

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Mergulho livre na Blue Lagoon de Bora Bora. A transparência da água é inacreditável

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Passeios em Bora Bora permitem chegar bem próximo e até tocar em inofensivas arraias-lixa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Os tikis são “primos” dos moais da Ilha de Páscoa. Essas estátuas enormes com formas de rostos e outros elementos podem ser encontradas em alguns motus, bancos de areia espalhados pelas lagoas da Polinésia Francesa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Os motus são bons lugares para curtir o visual fascinante de Bora Bora

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Outra ilha que vale a pena visitar na Polinésia Francesa é Rangiroa. Há voos diários do Taiti, a ilha principal, para lá

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Entre os hotéis de Rangiroa destaca-se o Kia Ora Resort & Spa, a partir do qual é possível fazer passeios de barco pelas águas translúcidas da lagoa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    O Hotel Kia Ora Resort & Spa conta com villas cercadas de verde. As diárias nas melhores acomodações partem de € 464

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Área com piscina de um dos bangalôs de praia do Hotel Kia Ora Resort & Spa, em Rangiroa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Curtir o pôr do sol da jacuzzi e da piscina com borda infinita do Hotel Kia Ora Resort & Spa é inesquecível

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Em Rangiroa é possível mergulhar em meio a cardumes belíssimos. Assim como em Bora Bora, o local também se chama Blue Lagoon

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Também dá para ver bem de perto tubarões galha-preta e limão. Ambas as espécies são tranquilas e você mergulha com eles numa boa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Rangiroa é o segundo maior atol do mundo – só perde para um localizado nas Ilhas Maurício. Um atol é como se fosse uma faixa de areia circular com uma lagoa dentro, onde há farta vida marinha e vários pontos de mergulho

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Há três passagens de água do mar para dentro do atol de Rangiroa. Na mais impactante delas, a de Tiputa, é possível ver diversos animais, como golfinhos

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Huahine é uma ilha menos procurada por turistas. Por isso, é indicada para quem quer se isolar e ficar em contato direto com a natureza. Lá há menos opções de hotéis, que de uma forma geral são mais simples. Nem por isso faltam bangalôs sobre as águas, como os do Royal Huahine

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Bangalôs sobre as águas do Royal Huahine, cujos valores giram em torno de US$ 300

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Tons de verde tomam conta das águas de Huahine, ilha em que é mais raro encontrar brasileiros. Voos diários ligam à região à principal ilha polinésia, o Taiti

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    No Royal Huahine é possível fazer passeios em canoas va’a, típicas da Polinésia Francesa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Visual de Huahine, que fica no arquipélago da Sociedade, um dos cinco que formam o conjunto da Polinésia Francesa

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Criança se diverte em uma das praias de Huahine. Destaque para a linda cor do mar

  • Crédito: Paulo Basso Jr.

    Praia em Huahine, perfeita para descansar, cair no mar e até pegar cocos em árvores