10 cuidados essenciais ao viajar com crianças

29 de janeiro de 2018

Por Paulo Basso Jr.

Viajar com crianças requer alguns cuidados especiais. Optar por um roteiro adequado, por exemplo, pode fazer com que a experiência se torne muito mais agradável, tanto para os pequenos quanto para os papais. Isso inclui a escolha dos hotéis, restaurantes, meio de transporte e uma série de outros fatores.

Siga a cobertura de nossos repórteres por todo o mundo, diariamente, no Instagram @rotadeferias, com direito a belas fotos e stories curiosos.

Documentos

Ao viajar com crianças no Brasil, nunca esqueça a certidão de nascimento dos pequenos. Leve sempre a original. Já para sair do país, adultos e crianças precisam de passaporte (com exceção dos destinos da América do Sul que aceitam o registro de identidade).

O procedimento para conseguir o documento para seu filho é igual ao de qualquer adulto. O mesmo vale para os vistos.

LEIA MAIS: QUANTO CUSTAM AS PASSAGENS DE AVIÃO PARA CRIANÇAS
DICAS PARA VIAJAR DE AVIÃO COM CRIANÇAS PEQUENAS

A data de validade do passaporte para bebês de até um ano dura apenas um ano, de até dois anos, apenas dois anos, e assim vai até os quatro anos, pois as crianças mudam de feição muito rapidamente. Dos 4 aos 18 anos incompletos, o passaporte tem validade de 5 anos

Se a criança for viajar para o exterior com apenas um dos pais, precisará de uma autorização por escrito do outro.

Malas

Evite malas com muitos itens; viajar leve é mais prático para todos

Quanto menos volume tiver a mala que irá carregar durante os deslocamentos ao viajar com crianças, melhor. Durante os deslocamentos, você precisará de uma mão livre para cuidar das crianças. O jeito é lavar a roupa suja da criançada.

Um macete bastante prático para pais com bebês com menos de dois anos é levar um recipiente no qual ficam todos os objetos descartáveis dos quais o bebê precisa (papinha, fraldas, leite em pó). Enrole tudo o que for frágil em plástico-bolha, lacre e despache a caixa na ida.

Use o máximo do conteúdo durante a viagem e, na volta, deixe o que sobrou no hotel, poupando assim um grande transtorno na hora de voltar para casa.

Roupas e carrinhos

Em alguns lugares, como os EUA, por exemplo, talvez fique mais prático e barato comprar um carrinho simples e depois deixá-lo por lá do que carregar um desde o Brasil. Se não tiver jeito, entretanto, leve o carrinho sem problemas, já que eles podem facilitar muito determinados períodos da viagem. Os do tipo “cortininha” são mais práticos e leves. Em relação a roupas, verifique a temperatura e deixe as crianças sempre o mais confortável possível.

Transporte

É importante entreter as crianças durante o deslocamento

Manter a criançada ocupada com joguinhos do tipo “palavras que começam com S” é sempre uma boa saída para evitar as tão famosas perguntinhas de “já chegou?”. Se estiver de carro, faça paradas para comer e usar o banheiro de duas em duas horas, no mínimo.

No avião, uma boa maneira para amenizar a choradeira da criançada durante os pousos e decolagens é dar a eles pequenos goles de água nesses momentos. Isso faz com que as crianças sintam menos as mudanças bruscas de pressão.

Algumas empresas aéreas dão aos clientes a possibilidade de escolher a comida mais adequada aos bebês. Este pedido tem que ser feito na reserva da passagem. Nos voos diurnos, converse sobre a viagem. Os pequenos geralmente ficam mais tranquilos.

Hotéis

A maioria dos hotéis e resorts brasileiros tem boa estrutura para quem vai viajar com crianças, assim como ocorre nos EUA e no Caribe. O grande desafio está na Europa, onde os quartos de hotéis mais simples são pequenos e as facilidades muitas vezes são precárias.

Por tanto, faça a escolha com cuidado: procure acomodações grandes, de preferência com cafés da manhã substanciosos e, se a viagem for com bebê de colo, com elevador.

Alimentação  

Não force a barra e foque no certeiro na hora de alimentar as crianças

Se os pratos típicos do local não ajudarem, recorra sempre ao que é “sem erro” em se tratando de crianças: massas, saladas, carnes e sanduíches. Experimente, mas sem exageros, o paladar do seu filho pode ainda não estar pronto para um escargot.

Lembre-se que é difícil manter uma dieta balanceada numa viagem. Na dúvida, prefira alimentos ricos em carboidratos (pão, batata, massas) para garantir energia e disposição ao filhote.   

Farmacinha

Leve uma farmacinha com remédios clássicos: analgésico, descongestionante, colírio, antitérmico, xarope pra tosse e um antibiótico fechado (com pedido médico, para o caso de você ter de comprar mais). Pomadinhas, cicatrizantes e equipamentos para curativos também são importantes, bem como protetores solares.

Planeje a viagem

Viajar com crianças requer doação por parte dos adultos, já que a programação deve ser voltada para os pequenos. Viajar sem planejamento é um grande erro, pois você pode chegar a um lugar que não tenha roteiro infantil ou, pior, tenha muitas opções para as crianças, mas você nem percebe isso.

Não faça uma viagem de adulto

Escolha locais que interessam a todos os membros da família

É bom partir sempre do pressuposto que viajar com crianças é diferente de uma viagem só com adultos. Não dá para aproveitar a vida noturna ou comer em restaurante superformais com os pequenos como acompanhantes, por exemplo.

Procure então por opções em que toda a família possa se divertir, tanto durante o dia quanto de noite. Jantares temáticos, shows e outras atrações costumam agradar a todos.

Evite conhecer muitos lugares em pouco tempo

Muitas vezes, com a melhor das intenções, os pais planejam viagens repletas de destinos, com pouco tempo para aproveitar cada lugar. A criança não gosta de tanta informação e prefere estabelecer vínculos maiores com um ou poucos lugares.

Uma viagem que lembra mais uma maratona não as agrada. Para elas, o mais importante é a companhia dos pais e não a quantidade de cidades visitadas.