Crédito: Artur Tumasjan on Unsplash

Viagens para o exterior só voltarão ao normal no fim de 2021, aponta FGV Projetos

29 de abril de 2020

Por Redação

Com a possível reabertura da economia em maio, o turismo pelo Brasil deve ser retomado, de forma lenta e gradual, entre setembro e outubro. A partir de fevereiro de 2021, as viagens de negócios tendem a se estabilizar. Já férias no exterior devem começar a ser procuradas com mais intensidade apenas a partir de junho de 2021.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas de viagem? Assine nossa newsletter neste link.

Os dados são do estudo “Impacto Econômico do Covid-19, Propostas Para o Turismo Brasileiro”, divulgado pela FGV Projetos. Segundo a análise, de forma geral, o turismo brasileiro só voltará a níveis semelhantes aos anteriores à pandemia do coronavírus em outubro do ano que vem. O material completo está disponível aqui.

“Consideramos (para chegar a esses dados) o período de interrupção de atividades de três meses, quando terá início o reequilíbrio dos negócios no Brasil, que durará cerca de 12 meses, uma vez que a saúde financeira dos negócios e das famílias estará comprometida. No caso do turismo internacional, o período de recuperação poderá chegar a 18 meses”, aponta o estudo.

Para chegar a essa conclusão, a FGV Projetos analisou setores como hospitalidade, transportes, bares e restaurantes, bem como agências de viagens, aluguel de imóveis e atividades recreativas, entre outros.

Como será a retomada do turismo no Brasil

De acordo com o estudo, “mesmo com o fim do período de maior isolamento social, com a queda de renda da população, os primeiros cenários indicam que a demanda pelos serviços de turismo e dos setores relacionados não será a mesma, já que a predisposição para gastos em viagens ainda estará condicionada a uma maior confiança na segurança sanitária do destino a ser visitado”.

Outros países, além do Brasil, tendem a enfrentar o mesmo problema. Por isso, a retomada do turismo está relacionada diretamente à ajuda dos governos em todo o mundo. “Mesmo sendo um setor essencialmente privado, a força das políticas governamentais será fundamental para a recuperação do turismo e sua capacidade de geração de empregos e divisas”, aponta a análise.

Outras variáveis que impactarão nos prazos estimados para a retomada das viagens, de acordo com os dados levantados pela FGV Projetos, são: o sucesso das medidas de isolamento social, as pesquisas em relação a um tratamento efetivo, a descoberta de uma vacina, o número de vítimas e as políticas econômicas e sociais adotadas pelos governos locais para mitigar os efeitos da crise.