Crédito: Paulo Basso Jr.

Viagem para Copenhagen é regada a ótima gastronomia

11 de agosto de 2017

Por Paulo Basso Jr.

Além das paisagens deslumbrantes e do estilo de vida invejável, Copenhagen transmite felicidade pelo estômago. Afinal, comer por lá é, literalmente, uma delícia. Não à toa, um famoso restaurante da cidade que está fechado no momento (e pode reabrir em breve), o Noma, foi apontado no prêmio The World’s 50 Best Restaurants o melhor do mundo por três anos seguidos, entre 2010 e 2012.

LEIA MAIS: Roteiro completo de dois dias em Copenhagen
Conheça os países que exigem seguro viagem
Destinos para viajar sem deixar os esportes de lado

Toda essa pompa levou o então chef da casa, René Redzepi, a fazer escola e voltar as atenções do mundo gastronômico para a nova cozinha nórdica, que mescla a coleta de alimentos nativos e silvestres da própria Dinamarca a ingredientes incomuns. O resultado são pratos a base de lagostim, salmão, algas, bagas silvestres e almíscar de boi, entre outras maravilhas, mesclados com produtos orgânicos. Isso sem falar no smushi, combinação do tradicional sanduíche aberto nórdico com sushis, que pode ser provado em casas moderninhas, como a Royal Cafe, como se fossem tapas espanholas.

Outro restaurante imperdível de Copenhagen é o Amass (foto em destaque), de Matt Orlando, discípulo de Redzepi e que trabalhou como subchef do Noma e do nova-iorquino Per Se, que detém três estrelas do Guia Michellin. Provei o menu da casa, com pratos experimentais como cavalas com cebolas pequenas envolvidas em folhas de ervilhas, empanados de foie gras defumado com aveia crocante, gema de ovo com manteiga virgem, cordeiro com milho e sementes de girassol e uma deliciosa sobremesa com sorvete de creme, maça, pimenta e orégano. Um êxtase gourmet!

Paulo Basso Jr.

Queijos em mercado de rua de Copenhagen, na Dinamarca

“Gosto de mesclar a cozinha dinamarquesa com os ingredientes mais tradicionais da escola francesa”, explica o simpático Orlando, que rasgou elogios ao brasileiro Alex Atala, do restaurante D.O.M, de São Paulo. “Ele esteve aqui logo que abri. Grande figura. Adoro a cozinha dele. Pode anotar aí que o próximo foco da gastronomia mundial estará voltado para a América do Sul, com destaque para o Brasil. Ah, e se encontrar com Alex, diga que eu mandei um abraço”. Recado dado.

LEIA MAIS: Parte 1 :Como é viajar para a Dinamarca
Parte 2: O que fazer em Copenhagen, capital da Dinamarca
Parte 4: Passeios a partir de Copenhagen, na Dinamarca

Obs: Trecho de reportagem publicado originalmente na revista Viaje Mais Luxo