Crédito: Paulo Basso Jr.

Tierra Patagonia, o hotel mais luxuoso do sul do Chile

3 de janeiro de 2018

Por Paulo Basso Jr.

O desembarque final do navio Stella Australis no cruzeiro pela Patagônia que parte de Ushuaia se dá em Punta Arenas, a capital da província de Magallanes, a mais ao sul do Chile, situada a três horas de voo de Santiago. Quem passa algumas horas encontra uma cidade colorida e muito mais movimentada e calorosa do que se poderia supor naquelas latitudes.

LEIA MAIS: Parte 1: Viagem ao fim do mundo encanta quem vai à Patagônia
Parte 2: Aventura com conforto em cruzeiro na Patagônia
Parte 3: Dobre a ponta da América do Sul e veja pinguins na Patagônia
Parte 5: O que fazer no Parque Nacional de Torres del Paine

Paulo Basso Jr.
Acomodação do Tierra Patagonia

A região costuma ter bastante movimento de turistas, já que também é ponto de partida para quem vai a Torres del Paine, símbolo máximo da Patagônia Chilena.

O parque nacional fica a cerca de quatro horas de carro de Punta Arenas e, por isso, o jeito mais confortável de chegar lá é contar com o serviço de transporte privativo de um hotel local, como o oferecido pelo Tierra Patagonia (os pacotes de três noites em 2017 saem desde US$ 5.380 por acomodação). Para quem desembarca de um cruzeiro, então, melhor ainda, já que a van pega os hóspedes no porto. Assim, nem é preciso carregar as malas.

Divulgação
Piscina do Tierra Patagonia com vista para as Torres del Paine

O caminho até o empreendimento é longo e cansativo, com alguns pit stops para comer e descansar. A única atração do trajeto é avistar rapidamente Puerto Natales, a maior cidade dos arredores de Torres del Paine, situada a uma hora de carro do parque nacional. É preciso encarar todo esse perrengue, no entanto, para ser contemplado com a sequência de dias que, provavelmente, serão incluídos entre os melhores de sua vida.

A chegada ao Tierra Patagonia se dá de modo triunfal. O hotel-design foi projetado às margens do Lago Sarmiento, ponto de observação privilegiado da Cordilheira Paine, que abriga os famosos maciços em formato de torre que dão nome ao parque. O projeto arquitetônico impressiona, já que o empreendimento parece sumir em meio ao solo declinado, se inserindo totalmente na paisagem local.

Dentro do hotel, os ambientes sofisticados apresentam madeiras por todos os lados e são decorados de forma minimalista e contextualizada.  Uma das faces da edificação, que avança por todas as suítes e pelas áreas sociais – entre elas spa com piscina aquecida e jacuzzi, restaurante, bar que opera em regime tudo incluso e um espaço com sofás distribuídos em volta de uma lareira –, é quase que totalmente envidraçada.

Divulgação
Área comum do hotel Tierra Patagonia

Dessa forma, é possível ver, o tempo todo, os muitos animais que circulam do lado de fora em busca de água no Lago Sarmiento – que, dependendo do dia, pode estar com o tom de água azul, verde ou semelhante a um espelho que reflete as montanhas que o circundam.

As reações empolgadas dos hóspedes não deixam dúvidas sobre o nível de qualidade do Tierra Patagonia, que, a exemplo do navio Stella Australis, é feito na medida para quem deseja contemplar a natureza e curtir momentos de introspecção com altas doses de mordomia.

LEIA MAIS: Os 50 melhores restaurantes da América Latina
Roteiro de 4 dias em Buenos Aires, no Argentina
Quais são os 100 melhores hotéis do mundo

Por isso, os quartos do hotel, apesar de serem amplos e contarem com banheira e amenities da L’Occitane, não têm TV. A internet, por sua vez, pode ser acessada gratuitamente via wi-fi, mas apenas no salão social e no excelente restaurante do hotel. Mas a verdade é que ninguém encana com isso, já que há muito mais o que fazer por lá.

Obs; trecho de reportagem publicada originalmente na revista Viaje Mais Luxo