Crédito: Divulgação

As melhores épocas para visitar as Sete Maravilhas do Mundo Moderno

26 de setembro de 2019

Por Redação

Visitar as maravilhas do mundo moderno é algo a ser adicionado à lista de desejos dos viajantes. Os pontos turísticos têm fascinado historiadores e turistas ao longo dos anos e, em alguns casos, há séculos. Pensando nisso, a Booking.com, empresa de viagem e turismo, selecionou as melhores épocas para visitar as Sete Maravilhas do Mundo moderno.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas de viagem? Assine nossa newsletter neste link.

Melhores épocas para conhecer as Sete Maravilhas do Mundo moderno

Petra – Wadi Musa, Jordânia

Este famoso sítio arqueológico da Jordânia, que data do ano 300 a.C., costuma ser conhecido como a “Cidade Rosa”, por conter templos e túmulos esculpidos nas falésias de arenito rosa. Um ponto turístico muito visitado é o Al Siq, que pode ser acessado por meio de um estreito cânion. Além disso, vale a pena explorar Petra à noite, já que o ambiente remete à atmosfera dos contos de fada com a luz de velas e o céu estrelado.

Segundo os dados da Booking.com, o mês mais caro para viajar para Wadi Musa e visitar Petra é outubro. Já o mês mais acessível é agosto – 22% mais barato.

Divulgação
Vista do sítio arqueológico no Jordânia | Divulgação
Vista do sítio arqueológico no Jordânia

Onde se hospedar

O Petra Guest House Hotel é ideal para viajantes que querem explorar a antiga cidade de Petra, já que o hotel é localizado bem na entrada do local. Já o Cave Bar está situado em uma residência Nabateia do século 1 restaurada, apresentando especialidades árabes e europeias em um ambiente ao ar livre.

LEIA MAIS: 60 MARAVILHAS DO MUNDO PARA CONHECER ANTES DE MORRER
CONHEÇA AS SETE MARAVILHAS NATURAIS DO MUNDO

Coliseu – Roma, Itália

O Coliseu, também conhecido como Anfiteatro Flaviano, é o maior anfiteatro já construído. Feito de concreto e areia, foi feito em 72 d.C. pelo imperador Vespasiano. No auge, ele recebia entre 50 e 80 mil espectadores e era usado para combates entre gladiadores ou corrida de bigas.

O Coliseu foi um presente do imperador para o povo romano e é uma das maiores construções da Roma antiga, simbolizando poder e glória. Segundo o levantamento, o mês mais caro para viajar para Roma e visitar o local é maio. Fevereiro é a época mês mais barata, com 39% de diferença no preço.

Divulgação
O Coliseu é um dos destinos mais visitados na Itália | Divulgação
O Coliseu é um dos destinos mais visitados na Itália

Onde se hospedar

O Vatica B&B Roma combina antigo e novo com uma decoração elegante. Ele tem quartos espaçosos, banheiro privativo e café da manhã diariamente.

Taj Mahal – Agra, Índia

O Taj Mahal é uma obra-prima admirada no mundo todo. Ele foi construído entre 1631 e 1648 pelo imperador Shah Jahan para guardar os restos mortais de sua querida esposa.

Este mausoléu é todo revestido em mármore branco e atrai visitantes de todos os lugares do mundo com sua beleza estonteante. De acordo com a pesquisa, o mês mais caro para viajar para Agra e visitar o Taj Mahal é novembro, enquanto setembro é o mês mais barato, com uma diferença de 32% no preço.

Divulgação
O Taj Mahal é um importante ponto turístico na Índia | Divulgação
O Taj Mahal é um importante ponto turístico na Índia

Onde se hospedar

Situado em Agra, o requintado The Coral Court Homestay está localizado a uma curta distância do Taj Mahal. Ele oferece serviço de aluguel de carro, uma ótima opção para explorar os arredores, como o Forte de Agra e o Túmulo de Itimad-ud-Daulah.

Cristo Redentor – Rio de Janeiro, Brasil

Criado pelo escultor francês Paul Landowski e projetado pelo engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa, o Cristo Redentor é uma estátua de Jesus Cristo em Art Déco. Sua construção começou em 1922 e durou impressionantes 9 anos.

Porém, o projeto original era muito diferente do que conhecemos hoje, pois nele, Jesus segurava uma cruz e um globo terrestre. A estátua fica no topo do Corcovado e foi construída para simbolizar o cristianismo no Brasil.

Segundo a Booking.com, o mês mais caro para viajar para o Rio de Janeiro e visitar o Cristo é em janeiro, já o mês mais barato é agosto, com uma diferença de 40% no preço.

Divulgação
Vista do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro | Divulgação
Vista do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro

Onde se hospedar

O cama e café (B&B) Casa Geranio dispõe de uma piscina ao ar livre, cercada de lindos jardins com árvores frutíferas e vistas deslumbrantes da cidade. Atrações famosas como o Pão de Açúcar e a Praia de Copacabana ficam a uma curta distância de carro.

Chichén Itzá – Valladolid, México

Construído pelos Maias, Chichén Itzá é um sítio arqueológico localizado em Yucatán e tem mais de 1.500 anos. Acredita-se que as pirâmides e os templos eram utilizados para rituais religiosos para garantir a colheita.

O mês mais caro para conhecer Chichén Itzá em Valladolid é em abril, enquanto o mês mais barato é setembro, com uma diferença de 24% no preço.

Divulgação
Chichén Itzá é um sítio arqueológico localizado no México | Divulgação
Chichén Itzá é um sítio arqueológico localizado no México

Onde se hospedar

Com construção em estilo colonial, a Casa Tia Micha fica no centro de Valladolid. O local oferece um farto café da manhã em estilo americano na área de refeições.

Machu Picchu, Peru

Machu Picchu significa “Velha Montanha” no idioma quíchua e é uma cidadela inca localizada no alto dos Andes. Construída no século 15, ela fica a aproximadamente 2.400 metros acima do nível do mar, com um território de mais de 300 quilômetros. Sua origem exata ainda é um mistério.

Os dados da Booking.com indicam que o mês mais caro para viajar à Machu Picchu é junho e o mês mais barato, fevereiro, com uma diferença de 21% no preço.

Divulgação
O Machu Picchu é um local que ainda abriga inúmeros mistérios | Divulgação
O Machu Picchu é um local que ainda abriga inúmeros mistérios

Onde se hospedar

O Panorama B&B proporciona vistas espetaculares da montanha e do rio, direto da varanda privativa. A acomodação fica a uma curta caminhada do mercado da cidade e, além disso, há uma lanchonete que oferece almoços para viagem, ideal para os dias de passeio à Machu Picchu e seus arredores.

Grande Muralha da China – Pequim, China

A Grande Muralha da China tem mais de 8 mil quilômetros e levaria impressionantes 18 meses para ser cruzada a pé. Com seus mais de 2.300 anos de história, ela foi construída no ano 220 a.C. pelo primeiro imperador da China, Qin Shi Huang.

De acordo com a pesquisa, o mês mais caro para viajar para Pequim e conhecer a Muralha da China é em agosto e o mês mais barato, fevereiro.

Divulgação
A Muralha da China é um importante ponto turístico na China | Divulgação
A Muralha da China é um importante ponto turístico na China

Onde se hospedar

O M Youth Space está localizado no centro de Pequim, a 5 minutos de caminhada do metrô e a uma curta distância de carro da região de Shichahai. A parte mais procurada da Muralha da China é Mutianyu, por ser totalmente restaurada e ficar a apenas 1h30 de carro de Pequim.

Outra alternativa é utilizar o ônibus 877 de Pequim com destino à Badaling, seção mais visitada da Muralha da China, onde é possível encontrar teleféricos, um museu e um cinema com tela de projeção circular.

Veja fotos das Sete Maravilhas do Mundo Moderno

  • Crédito: Divulgação/Riotur
    Cristo Redentor, Brasil - De braços abertos, o Cristo tornou-se o símbolo da receptividade do povo brasileiro. Foram nove anos desde o lançamento da pedra fundamental, em 4 de abril de 1922, e a inauguração, em 12 de outubro de 1931, dia de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil
  • Crédito: Ricardo Zerrenner/Riotur
    Cristo Redentor, Brasil - A imagem tem 38 metros e é feita de cimento revestido com pedra sabão. A equipe responsável pela concepção do Cristo foi formada por três pessoas: o engenheiro Heitor da Silva Costa, responsável pelo projeto escolhido em 1923 por meio de um concurso; o artista plástico Carlos Oswald, que fez o desenho do monumento, e o francês Paul Landowsky, que respondeu pelo projeto arquitetônico
  • Crédito: Ricardo Zerrenner/Riotur
    Muito do título de maravilha do mundo se deve à natureza, que presenteou o Rio de Janeiro e os arredores do Cristo Redentor com uma geografia privilegiada
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Machu Picchu, Peru - A cidade perdida dos incas fica no topo de uma cadeia montanhosa a uma altitude de 2.700 metros em relação ao nível do mar. É o único local que o domínio espanhol não alcançou
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Machu Picchu, Peru - Descoberta em 1911, a cidade é cercada de mistérios. Uma das teorias é que ela seria um local de peregrinação, no qual os fiéis poderiam reencenar de maneira simbólica a jornada de seus ancestrais
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Ao todo, o local conta com 216 construções, entre casas de pedra, praças, templos e santuários, além dos mirantes para a observação dos astros, os relógios e as bússolas precisas entalhadas nas pedras. Destaque também para as plataformas de agricultura
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Chichén Itzá, México - O principal monumento da cidade maia é esta pirâmide batizada de Castillo. Sua construção pode ser interpretada como um calendário: os degraus das quatro escadarias e da plataforma superior somam 365, número de dias do ano. Um dos principais espetáculos do local é o equinócio, em 21 de março e 22 de setembro, quando o movimento do sol faz com que a silhueta de uma cobra apareça lentamente na lateral da escadaria da pirâmide
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Chichén Itzá, México - Há diversas outras construções na cidade, que recebe mais de 1 milhão de visitantes por ano
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Chichén Itzá, México - Em um campo da região era disputado o jogo de bola mesoamericano. Eis o detalhe do aro no qual os jogadores deviam acerta a bola. A partida era extremamente violenta e, em algumas ocasiões, as cerimônias após o encerramento incluíam o sacrifício do capitão e de outros jogadores da equipe derrotada
  • Crédito: Divulgação
    Coliseu, Itália - Símbolo maior do Império Romano, o Anfiteatro Flávio – nome oficial do Coliseu – foi construído, em forma elíptica, por prisioneiros hebreus sob ordem do imperador Flávio Vespasiano, e inaugurado por Tito em 80 d.C.
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Coliseu, Itália - Aqui ocorriam os famosos combates mortais de gladiadores (entre si ou contra tigres e leões). O locam também servia de palco para a execução dos chamados “inimigos do império”, sobretudo os cristãos, geralmente jogados às feras
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Coliseu, Itália - É possível visitar as galerias internas, onde ficavam os gladiadores. Ao todo, a arena tinha capacidade para receber até 50 mil espectadores
  • Crédito: Paulo Basso jr.
    Petra, Jordânia - O edifício El-Khazneh, ou Tesouro, é a construção principal de Petra. O local foi talhado na massa de arenito pelos nabateus, povo que vivia na região. Ele foi utilizado como cenário do filme “Indiana Jones e a Última Cruzada” e servia para guardar mercadorias, já que a cidade era um grande entreposto comercial
  • Crédito: Divulgação
    Petra, Jordânia - Para se chegar até ele é preciso atravessar o Siq, uma garganta formada por um corredor de três quilômetros dentro dos arenitos, com três metros de largura e 100 metros de profundidade
  • Crédito: Divulgação
    Petra, Jordânia - É preciso ao menos dois dias para visitar a cidade, que conta com diversas outras construções imponentes, a exemplo do Monastério
  • Taj Mahal, Índia - Este mausoléu foi construído em 1648 pelo imperador Shah Jahan para sua terceira esposa, Mumtaz Mahal, que morreu ao dar à luz seu filho. Sua cúpula central tem 53 metros de diâmetro. Tanto dentro como fora, o mausoléu de mármore branco é decorado com flores feitas a partir de caligrafia de 28 tipos de pedras preciosas, como ágata e jaspe. Os arcos principais contêm passagens do Alcorão
  • Crédito: Divulgação
    Muralha da China - Essa estrutura grandiosa é o símbolo de um sistema de defesa militar dos chineses, nascida em 475 a.C. Com 8 mil km de extensão, liga a China de leste a oeste, de Shangha até Jiayu
  • Crédito: Divulgação
    Muralha da China - Além dos muros, há torres, passos estratégicos e atalaias que tinham por função servir como um alarme a possíveis ataques