Crédito: Photo by nrd on Unsplash

Maioria dos brasileiros não faz reclamação por problemas com as bagagens

15 de novembro de 2018

Por Redação

31% dos passageiros brasileiros não costumam fazer reclamações quando enfrentam problemas com as bagagens. Segundo a pesquisa divulgada pela AirHelp, empresa especializada em direitos aéreos para passageiros, essa parcela de viajantes relatou que não procura seus direitos quando suas malas são danificadas, extraviadas ou atrasadas no aeroporto.

A pesquisa entrevistou 2.014 pessoas no Brasil para entender como os viajantes estão exercendo seus direitos quando seus planos de viagem dão errado. Vale lembrar que os termos da Convenção de Montreal dizem que os passageiros podem ter direito de receber uma compensação da companhia aérea em caso de problemas.

LEIA MAIS: GUIA DE COMO ARRUMAR A MALA PERFEITA PARA A SUA VIAGEM
AEROPORTOS DA EUROPA SÃO CAMPEÕES EM RECLAMAÇÕES DE BAGAGEM

Os resultados do levantamento mostram os três principais motivos pelos quais os passageiros não registram reclamações relacionadas a problemas com bagagens: demora (29%), não sabiam registrar uma queixa (25%) e não tinham conhecimento dos seus direitos (23%).

Problemas com as bagagem: direitos

Se um viajante está fazendo uma viagem local ou a um dos outros 120 países que ratificaram a Convenção de Montreal, ao ter problemas de bagagem, ele ganha o direito a receber uma indenização. De acordo com as leis de direitos dos passageiros no Brasil, a compensação máxima de uma companhia aérea por bagagem despachada perdida ou danificada é de mil reais.

Para conseguir obter a compensação, o passageiro deve apresentar uma reclamação antes de sair do aeroporto. Os viajantes devem preencher um pedido de Registro de Irregularidade de Propriedade (PIR, em inglês) para bagagem extraviada, incluindo o número do processo de suas malas. Quanto mais detalhada for a reivindicação, melhor será para o passageiro. Por isso, vale a pena adicionar uma lista detalhada do conteúdo da bagagem, com o preço de cada item.

Caso haja uma bagagem valiosa e com valor superior a 1.131 SDR (cerca de R$ 6.352),  deve-se notificar a companhia antes de fazer o check-in. Nesses casos, há a possibilidade de uma compensação maior se a mala for perdida. Porém, esses termos variam de acordo com cada empresa aérea.

Viajantes que transportam itens valiosos devem verificar as políticas de cada empresa, bem como as apólices de seguro de viagem para as seguradoras de cada país.