Crédito: Divulgação

Atrações vikings: saiba o que fazer na Islândia

17 de abril de 2019

Por Redação

O viajante que ainda não sabe o que fazer na Islândia pode estudar as atrações do país para preparar um roteiro incrível. Conhecida por suas paisagens geladas e pela cultura viking, a nação tem atraído pessoas de diversas partes do mundo.

Um dos fatores que impulsionou o turismo no país tem a ver com esporte. Recentemente, a Islândia fez uma excelente campanha na Eurocopa de 2016 e se classificação para a sua primeira Copa do Mundo da Fifa, em 2018, na Rússia.

Siga a cobertura de nossos repórteres por todo o mundo, diariamente, no Instagram @rotadeferias, com direito a belas fotos e stories curiosos.

A Interpoint, agência de viagens, que oferece pacotes para a Islândia a partir de 9.395 euros por pessoa em apartamento duplo, separou algumas atrações para quem quer curtir o país ao máximo. Confira:

LEIA MAIS: ISLÂNDIA, CUBA E JAPÃO: VEJA AS TENDÊNCIAS DE VIAGENS DE LUXO EM FAMÍLIA
7 DESTINOS QUE DEVEM SER TENDÊNCIA EM 2019

O que fazer na Islândia

Divulgação
Horizonte de Reykjavic em um dia de verão | Divulgação
Horizonte de Reykjavic em um dia de verão

Localizado no alto do mapa-múndi e cercada pelo Oceano Atlântico, a Islândia segue o calendário nórdico antigo, que não tem meia estação, como primavera ou outono. Por lá, há apenas verão e inverno

Durante o inverno, os turistas buscam o show de luzes da aurora boreal, que pode ser vista na própria capital Reykjavik. Quando a temperatura sobe e a neve derrete, entre os meses de junho e agosto, o país se abre novamente para lugares e atrações que até então eram inacessíveis ou proibidos. A estação mais quente do ano também proporciona a experiência de ver o famoso sol da meia-noite.

Reykjavik

Divulgação
Catedral Hallgrimskirkja | Divulgação
Catedral Hallgrimskirkja

Na capital é possível realizar programas que envolvem desde tours de barco para observação de baleias até visitas a museus, igrejas e catedrais, como de Hallgrimskirkja, situada no alto de uma colina e com torres de aproximadamente 75 metros.

Fora da capital

Divulgação
Gêiseres jorra água a uma altura de 40 metros | Divulgação
Gêiseres jorra água a uma altura de 40 metros

Fora da capital, uma opção é um tour privado pelo Círculo Dourado, que é o roteiro turístico mais famoso do país. Este passeio tem a opção de ser acompanhado por um guia em português.

Entre as atrações visitadas está o Thingvellir National Park, patrimônio Mundial da UNESCO e local de grande interesse histórico na cultura Viking. Ali, eram realizadas grandes reuniões e decisões importantes para as tribos nativas da época. Esses encontros eram chamados de Althingi, que significa parlamento. Estima-se que o primeiro tenha ocorrido em 930.

Além disso, é possível fazer paradas para contemplação de gêiseres, como o Geysir Strokkur, que jorra água a uma altura de 40 metros.

Selfos

Divulgação
Reynisfjara, a praia de areia negra | Divulgação
Reynisfjara, a praia de areia negra

No caminho para Selfoss, a Cachoeira de Gullfoss, a mais famosa de todo o país, também é uma boa opção de visita. Com uma queda de 32 metros, a água que cai sob o canyon de duas etapas provém do segundo maior glacial do país, a geleira de Langjokull.

Na Costa Sul de Selfoss, há ainda a cachoeira de Seljalandsfoss, oriunda da geleira/vulcão Eyjafjallajökull. Além da praia de areia negra de Reynisfjara.

Borgafjordur

Divulgação
Caverna do "gelo azul" | Divulgação
Caverna do “gelo azul”

Vale destacar também a península de Borgafjordur e o passeio pelo interior do segundo maior glacial da Europa, na Ice Cave. Resultado de muito estudo de engenheiros e de geofísicos, a atração leva os visitantes para dentro da calota de gelo e expõe o “gelo azul”, que está enterrado profundamente abaixo da superfície.

Grindavik

Divulgação
Blue Lagoon, a Lagoa Azul islandesa, em Reykjanesskagi | Divulgação
Blue Lagoon, a Lagoa Azul islandesa, em Reykjanesskagi

A Grindavik abriga atrativos pra lá de interessantes, como o vulcão adormecido de Thrihnukagigur. Os mais aventureiros podem  até descer pela chaminé do local e admirar seu interior.

Outra opção é a Lagoa Azul, em Reykjanesskagi, próxima à capital. Ali, é possível tomar banho e relaxar nas famosas fontes termais de águas azuis da Islândia.

Veja os 30 países mais seguros do mundo

Além de atrair turistas pelas belezas naturais, a Islândia foi eleita o país mais seguro do mundo, segundo o Global Peace Index, que avalia os indicadores sociais e o nível de violência de 163 nações. O Brasil ocupa a 106ª posição no ranking. Confira os 30 primeiros colocados.