Crédito: Divulgação

O que fazer em Viena, a linda capital da Áustria

12 de dezembro de 2017

Por Paulo Basso Jr.

Imponente, majestosa, encantadora… Qualquer adjetivo positivo parece pouco para descrever Viena, uma das cidades mais deslumbrantes do mundo. Sede da família Habsburgo – líder de um dos impérios mais importantes do mundo, a Casa da Áustria, que perdurou entre 1278 e 1918 –, Viena parece brincar com a história. Museus modernos e antigos, monumentos famosos e lojas de grife, metrôs altamente tecnológicos e pacatos bondes convivem lado a lado num compasso perfeito.

LEIA MAIS TRADICIONAL VALSA DE VIENA COMPLETA 150 ANOS; VEJA ATRAÇÕES ESPECIAIS
BONS DESTINOS PARA QUEM AMA MÚSICA

Tudo por lá gira em torno do Ringstrasse (Ring, para os íntimos), anel viário que substituiu as antigas muralhas que delimitavam Viena no século 19 e hoje abraça toda a área central, onde está concentrada a maior parte das atrações históricas. Uma das principais é o Hofburg (Palácio Imperial), antiga residência de inverno dos soberanos Habsburgos, composta por 12 prédios interligados de diferentes épocas. Ali há museus, apresentações de equitação e salões onde são promovidos bailes famosos.

Divulgação
O majestoso parlamento de Viena, no Ring

Ao lado do Hofburg, aparecem a catedral de Santo Estevão, construída entre os séculos 13 e 15; a prefeitura, de estilo neogótico; o parlamento, com sua fachada grega; o Burgtheater (Teatro Municipal), de arquitetura barroca; e o Convento dos Capuchinos, que abriga a cripta imperial austríaca. Ah, e ainda tem o jardim Volksgartem, a Universidade de Viena, o Museu de Belas Artes, o Stadtpark (Jardim Municipal), a Igreja de São Pedro… Isso tudo sem falar na grande joia da capital da Áustria: a música clássica, que ali parece pairar no ar.

Música em Viena
Mozart, Schubert, Beethoven, Stolz, Strauss e diversos outros compositores brilhantes estão presentes em cada canto de Viena, seja nos concertos e óperas ou nos locais em que eles viveram (alguns nasceram) ou se apresentaram. A Staatsoper, a ópera oficial, tem uma programação intensa durante o ano todo, assim como a Filarmônica de Viena, aquela mesma que, todo 1º de janeiro, celebra em sua Sala Dourada o Concerto de Ano Novo, transmitido pela TV e rádio em diversos países. No Stadtpark, Strauss aparece reluzente em uma estátua dourada.

Divulgação
Staatsoper, a famosa Ópera de Viena

Fora a música, os mais de 50 museus de Viena são outro atrativo imperdível. Perto do Ring, concentra-se o Quarteirão dos Museus (Museum Quatier), um dos maiores lugares do mundo reservados à arte. São 60 mil m2 de museus construídos entre 1994 e 2001 no local onde ficavam os antigos estábulos do império. Os que merecem maior destaque são o Leopold, que tem uma bela coleção de Gustav Klimt (1862-1918), e o Momuk, de arte contemporânea. Um pouco mais afastado – mas não mais que dez minutos de metrô – está o Palácio Belvedere, outra maravilha da cidade. Não há muitas obras famosas por lá, a não ser O Beijo, de Klimt, que por si só já justifica a visita.

Divulgação
Museum Quartier, em Viena

Palácio de Schönbrunn, em Viena
Mais distante do centro fica o destino mais popular de Viena: o palácio Schönbrunn, sede do governo e casa de veraneio dos Habsburgos. Construído no início do século 17 e reformado no século 19, o palácio ostenta 1,4 mil salas e mais de 14 hectares de jardins deslumbrantes. Nesse espaço, fica o maior zoológico particular da Europa, um labirinto de plantas e o Gloriette, monumento de onde se tem uma linda vistas de Viena.

Divulgação/www.peterrigaud.com
Palácio Schönbrunn, em Viena

A habitante mais ilustre de Schönbrunn durante os meses de verão foi a imperatriz Elizabeth, mais conhecida como Sissi. Ela foi uma espécie de Princesa Diana do século 19, apontada em sua época como a nobre mais bonita da Europa. O palácio é cheio de referências à imperatriz, assim como boa parte das lembrancinhas vendidas na cidade. Com um desfecho trágico em sua vida (foi assassinada aos 61 anos), Sissi é adorada até hoje pelos austríacos.

Divulgação
Detalhe de roda-gigante no Prater, em Viena

Uma vez em Viena, vale a pena também conhecer o Prater, palco da roda-gigante mais antiga do mundo, construída em 1897; o Hundertwasserhaus, uma edificação pública com fachada ousada, marco da arquitetura contemporânea; e o Naschmarkt, um delicioso mercado a céu aberto que vende delícias locais, sempre frescas. No verão, é uma boa também ir ao Donauinsel, ilha no Rio Danúbio que funciona como uma praia repleta de barzinhos para os vienenses.

Para saber onde comer e ficar em Viena, clique aqui.

Atualização de texto original publicado no livro 50 Lugares Inesquecíveis do Mundo, da revista Viaje Mais, parceira do Rota de Férias.