Saiba o que fazer em Montreal, a cidade do GP do Canadá de F1

7 de junho de 2019

Por Leo Alves

Situada na província de Quebec, Montreal recebe neste final de semana mais uma edição do GP do Canadá de Fórmula 1. Realizada desde 1967, a corrida canadense já passou por outras cidades do país, como Ontário e Mont-Tremblat, mas é sediada em Montreal desde 1978.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas de viagem? Assine nossa newsletter neste link.

Em 1978, inclusive, o piloto canadense Gilles Villeneuve obteve sua única vitória em casa, a bordo de sua Ferrari. Ele morreria quatro anos depois, em um acidente na Bélgica. Como homenagem, o autódromo teve seu nome alterado e recebeu o do ídolo.

GP do Canadá: história

A pista atual fica na ilha artificial de Notre Dame. O maior vencedor da prova é o alemão Michael Schumacher, com sete vitórias. Lewis Hamilton é o segundo, com um triunfo a menos, e pode igualar o recorde neste domingo (9/6). Nelson Piquet, com três vitórias, é o terceiro piloto que mais venceu no Canadá. Inclusive, a pista foi o palco de sua última vitória na categoria, em 1991.

Assim como acontece na pista do GP da Austrália, parte do traçado do autódromo Gilles Villeneuve é aberta aos frequentadores do parque Jean-Drapeau, onde está localizado o circuito. Seu desenho mescla longos trechos de aceleração com curvas travadas. O muros são próximos e os pilotos precisam controlar o ímpeto na curva 14, já que quem erra esse trecho pode estampar o carro no Muro dos Campeões e encerrar sua participação na prova mais cedo.

O que fazer em Montreal

Uma das maiores cidades do país, Montreal oferece diversas opções de passeios aos turistas. Com estilo neogótico, a basílica de Notre-Dame foi construída entre 1823 e 1829, e é um dos principais pontos turísticos. A igreja fica localizada em Old Montreal, que é um pedaço da metrópole que vale a visita.

LEIA MAIS: O QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE VIAJAR PARA O CANADÁ
5 COISAS PARA SABER ANTES DE CONHECER O CANADÁ

Outra região que merece ser conhecida é a do porto velho de Montreal. É possível visitar diversas lojas, parques e restaurantes. Para quem for ao local durante o inverno, a dica é ir a uma pista de patinação.

O belo parque olímpico, que recebeu as Olimpíadas de 1976, é outro local que vale a visita. Próximo a ele, o Jardim Botânico é um dos principais pontos turístico e um dos maiores do Canadá.

Por ser uma cidade fria, Montreal conta com uma grande estrutura subterrânea. Há um complexo interligado, onde é possível encontrar lojas e alguns centros comerciais, além do metrô.

Principais autódromos do mundo

E por falar na corrida do Canadá, confira na galeria alguns dos principais autódromos do mundo.

  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Internacional José Carlos Pace - Interlagos (São Paulo, Brasil): principal pista brasileira, o traçado paulistano existe desde os anos 1940. Recebeu o formato atual em 1990, quando voltou a receber a F1. Além dela, também recebe a Stock Car e diversas outras categorias do País
  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Internacional José Carlos Pace - Interlagos (São Paulo, Brasil): principal pista brasileira, o traçado paulistano existe desde os anos 1940. Recebeu o formato atual em 1990, quando voltou a receber a F1. Além dela, também recebe a Stock Car e diversas outras categorias do País
  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Internacional José Carlos Pace - Interlagos (São Paulo, Brasil): principal pista brasileira, o traçado paulistano existe desde os anos 1940. Recebeu o formato atual em 1990, quando voltou a receber a F1. Além dela, também recebe a Stock Car e diversas outras categorias do País
  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Internacional José Carlos Pace - Interlagos (São Paulo, Brasil): principal pista brasileira, o traçado paulistano existe desde os anos 1940. Recebeu o formato atual em 1990, quando voltou a receber a F1. Além dela, também recebe a Stock Car e diversas outras categorias do País
  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Hermanos Rodriguez (Cidade do México, México): pista com a maior atitude do calendário da Fórmula 1, esta pista já sediou a etapa mexicana da categoria em três períodos: de 1963 a 1970, depois entre 1986 e 1992, e retornando em 2015 até os tempos atuais
  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Hermanos Rodriguez (Cidade do México, México): pista com a maior atitude do calendário da Fórmula 1, esta pista já sediou a etapa mexicana da categoria em três períodos: de 1963 a 1970, depois entre 1986 e 1992, e retornando em 2015 até os tempos atuais
  • Crédito: Divulgação
    Autódromo Hermanos Rodriguez (Cidade do México, México): pista com a maior atitude do calendário da Fórmula 1, esta pista já sediou a etapa mexicana da categoria em três períodos: de 1963 a 1970, depois entre 1986 e 1992, e retornando em 2015 até os tempos atuais
  • Crédito: Divulgação
    Autodromo Internazionale Enzo e Dino Ferrari (Ímola, Itália): é uma pista que não traz boas recordações aos brasileiros, por conta do acidente de Ayrton Senna. Teve o traçado alterado após o trágico GP de 1994, que também vitimou Roland Ratzenberger, recebendo a F1 até 2006. Mesmo com todas as fatalidades, ainda é uma das pistas mais importantes do automobilismo
  • Crédito: Divulgação
    Autodromo Internazionale Enzo e Dino Ferrari (Ímola, Itália): é uma pista que não traz boas recordações aos brasileiros, por conta do acidente de Ayrton Senna. Teve o traçado alterado após o trágico GP de 1994, que também vitimou Roland Ratzenberger, recebendo a F1 até 2006. Mesmo com todas as fatalidades, ainda é uma das pistas mais importantes do automobilismo
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de Barcelona-Catalunya (Montmeló, Espanha): recebe a F1 desde 1991, além de ser também o local escolhido para os testes de pré-temporada. A MotoGP é outra importante categoria que utiliza essa pista, organizando o GP da Catalunha anualmente
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de Barcelona-Catalunya (Montmeló, Espanha): recebe a F1 desde 1991, além de ser também o local escolhido para os testes de pré-temporada. A MotoGP é outra importante categoria que utiliza essa pista, organizando o GP da Catalunha anualmente
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de Barcelona-Catalunya (Montmeló, Espanha): recebe a F1 desde 1991, além de ser também o local escolhido para os testes de pré-temporada. A MotoGP é outra importante categoria que utiliza essa pista, organizando o GP da Catalunha anualmente
  • Crédito: Divulgação
    Daytona International Speedway (Daytona Beach, EUA): recebe as 500 milhas da Nascar, uma das provas mais importantes da categoria, e também as 24h de Daytona dos carros protótipos do campeonato americano (IMSA)
  • Crédito: Divulgação
    Daytona International Speedway (Daytona Beach, EUA): recebe as 500 milhas da Nascar, uma das provas mais importantes da categoria, e também as 24h de Daytona dos carros protótipos do campeonato americano (IMSA)
  • Crédito: Divulgação
    Daytona International Speedway (Daytona Beach, EUA): recebe as 500 milhas da Nascar, uma das provas mais importantes da categoria, e também as 24h de Daytona dos carros protótipos do campeonato americano (IMSA)
  • Crédito: Divulgação
    Hockenheimring Baden-Württemberg (Hockenheim, Alemanha): atual sede do GP da Alemanha, foi nesta pista que Rubens Barrichello conquistou sua primeira vitória na F1, em 2000, seu ano de estreia pela Ferrari. Na época, o traçado ainda era o antigo, com grandes retas que cortavam a floresta. A pista foi reduzida em 2002, utilizando o mesmo formato até hoje
  • Crédito: Divulgação
    Hockenheimring Baden-Württemberg (Hockenheim, Alemanha): atual sede do GP da Alemanha, foi nesta pista que Rubens Barrichello conquistou sua primeira vitória na F1, em 2000, seu ano de estreia pela Ferrari. Na época, o traçado ainda era o antigo, com grandes retas que cortavam a floresta. A pista foi reduzida em 2002, utilizando o mesmo formato até hoje
  • Crédito: Divulgação
    Hockenheimring Baden-Württemberg (Hockenheim, Alemanha): atual sede do GP da Alemanha, foi nesta pista que Rubens Barrichello conquistou sua primeira vitória na F1, em 2000, seu ano de estreia pela Ferrari. Na época, o traçado ainda era o antigo, com grandes retas que cortavam a floresta. A pista foi reduzida em 2002, utilizando o mesmo formato até hoje
  • Crédito: Divulgação
    Indianapolis Motor Speedway (Indianapolis, EUA): com mais de um século de história, é o palco das tradicionais 500 Milhas da Fórmula Indy. Foi sede do GP dos Estados Unidos de F1 entre 2000 e 2007
  • Crédito: Divulgação
    Indianapolis Motor Speedway (Indianapolis, EUA): com mais de um século de história, é o palco das tradicionais 500 Milhas da Fórmula Indy. Foi sede do GP dos Estados Unidos de F1 entre 2000 e 2007
  • Crédito: Divulgação
    Indianapolis Motor Speedway (Indianapolis, EUA): com mais de um século de história, é o palco das tradicionais 500 Milhas da Fórmula Indy. Foi sede do GP dos Estados Unidos de F1 entre 2000 e 2007
  • Indianapolis Motor Speedway (Indianapolis, EUA): com mais de um século de história, é o palco das tradicionais 500 Milhas da Fórmula Indy. Foi sede do GP dos Estados Unidos de F1 entre 2000 e 2007
  • WeatherTech Raceway Laguna Seca (Monterey, EUA): uma das pistas mais tradicionais do país, ela é famosa pela desafiadora curva saca-rolha. Já recebeu diversas competições internacionais, como a MotoGP, Superbike e a extinta ChampCar, atual Fórmula Indy
  • WeatherTech Raceway Laguna Seca (Monterey, EUA): uma das pistas mais tradicionais do país, ela é famosa pela desafiadora curva saca-rolha. Já recebeu diversas competições internacionais, como a MotoGP, Superbike e a extinta ChampCar, atual Fórmula Indy
  • WeatherTech Raceway Laguna Seca (Monterey, EUA): uma das pistas mais tradicionais do país, ela é famosa pela desafiadora curva saca-rolha. Já recebeu diversas competições internacionais, como a MotoGP, Superbike e a extinta ChampCar, atual Fórmula Indy
  • Crédito: Maria Beatriz Vaccari/Rota de Férias
    O Rota de Férias, inclusive, já andou nesta pista. Confira o relato de nossa reportagem neste texto: https://bit.ly/2KWWt6y
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de la Sarthe (Le Mans, França): outro templo do automobilismo e que realiza desde 1923 as 24 horas de Le Mans, prova mais importante do calendário do WEC, o mundial de endurance
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de la Sarthe (Le Mans, França): outro templo do automobilismo e que realiza desde 1923 as 24 horas de Le Mans, prova mais importante do calendário do WEC, o mundial de endurance
  • Circuit de la Sarthe (Le Mans, França): outro templo do automobilismo e que realiza desde 1923 as 24 horas de Le Mans, prova mais importante do calendário do WEC, o mundial de endurance
  • Crédito: Divulgação
    Mônaco (Monte Carlo): não chega a ser um circuito, já que a corrida é realizada nas ruas da cidade. Mesmo assim, é um dos locais sagrados do automobilismo. Por ser uma pista de rua, é aberta para que qualquer pessoa percorra as famosas curvas do principado
  • Crédito: Divulgação
    Mônaco (Monte Carlo): não chega a ser um circuito, já que a corrida é realizada nas ruas da cidade. Mesmo assim, é um dos locais sagrados do automobilismo. Por ser uma pista de rua, é aberta para que qualquer pessoa percorra as famosas curvas do principado
  • Crédito: Divulgação
    Mônaco (Monte Carlo): não chega a ser um circuito, já que a corrida é realizada nas ruas da cidade. Mesmo assim, é um dos locais sagrados do automobilismo. Por ser uma pista de rua, é aberta para que qualquer pessoa percorra as famosas curvas do principado
  • Crédito: Divulgação
    Mônaco (Monte Carlo): não chega a ser um circuito, já que a corrida é realizada nas ruas da cidade. Mesmo assim, é um dos locais sagrados do automobilismo. Por ser uma pista de rua, é aberta para que qualquer pessoa percorra as famosas curvas do principado
  • Crédito: Divulgação
    Autodromo Nazionale Monza (Monza, Itália): palco do GP da Itália, a pista foi construída em 1922 e já recebeu a F1 em 68 oportunidades, desde 1950. É aqui que os italianos demonstram toda a sua paixão pela Ferrari, com enormes bandeirões e cartazes de devoção aos carros vermelhos
  • Crédito: Divulgação
    Autodromo Nazionale Monza (Monza, Itália): palco do GP da Itália, a pista foi construída em 1922 e já recebeu a F1 em 68 oportunidades, desde 1950. É aqui que os italianos demonstram toda a sua paixão pela Ferrari, com enormes bandeirões e cartazes de devoção aos carros vermelhos
  • Crédito: Divulgação
    Autodromo Nazionale Monza (Monza, Itália): palco do GP da Itália, a pista foi construída em 1922 e já recebeu a F1 em 68 oportunidades, desde 1950. É aqui que os italianos demonstram toda a sua paixão pela Ferrari, com enormes bandeirões e cartazes de devoção aos carros vermelhos
  • Crédito: Divulgação
    Autodromo Nazionale Monza (Monza, Itália): palco do GP da Itália, a pista foi construída em 1922 e já recebeu a F1 em 68 oportunidades, desde 1950. É aqui que os italianos demonstram toda a sua paixão pela Ferrari, com enormes bandeirões e cartazes de devoção aos carros vermelhos
  • Nürburing (Nürburg, Alemanha): recebeu por diversos anos o GP da Alemanha e o GP da Europa de F1. Seu traçado antigo, o Nordschleife, pode ser visitado por turistas, sendo permitido dar algumas voltas de carro pelas suas 154 curvas
  • Nürburing (Nürburg, Alemanha): recebeu por diversos anos o GP da Alemanha e o GP da Europa de F1. Seu traçado antigo, o Nordschleife, pode ser visitado por turistas, sendo permitido dar algumas voltas de carro pelas suas 154 curvas
  • Nürburing (Nürburg, Alemanha): recebeu por diversos anos o GP da Alemanha e o GP da Europa de F1. Seu traçado antigo, o Nordschleife, pode ser visitado por turistas, sendo permitido dar algumas voltas de carro pelas suas 154 curvas
  • Crédito: Divulgação
    Silverstone Circuit (Silverstone, Inglaterra): antigo aeroporto, a pista inglesa foi a responsável por inaugurar a Fórmula 1, tendo recebido o primeiro GP da história da categoria. É um dos circuitos mais tradicionais e importantes do mundo
  • Crédito: Divulgação
    Silverstone Circuit (Silverstone, Inglaterra): antigo aeroporto, a pista inglesa foi a responsável por inaugurar a Fórmula 1, tendo recebido o primeiro GP da história da categoria. É um dos circuitos mais tradicionais e importantes do mundo
  • Crédito: Divulgação
    Silverstone Circuit (Silverstone, Inglaterra): antigo aeroporto, a pista inglesa foi a responsável por inaugurar a Fórmula 1, tendo recebido o primeiro GP da história da categoria. É um dos circuitos mais tradicionais e importantes do mundo
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de Spa-Francorchamps (Stavelot, Bélgica): recebe anualmente a F1, sendo uma das pistas favoritas dos pilotos. A temida curva Eau Rouge, feita na subida e em alta velocidade, é uma das mais conhecidas do esporte a motor
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de Spa-Francorchamps (Stavelot, Bélgica): recebe anualmente a F1, sendo uma das pistas favoritas dos pilotos. A temida curva Eau Rouge, feita na subida e em alta velocidade, é uma das mais conhecidas do esporte a motor
  • Crédito: Divulgação
    Circuit de Spa-Francorchamps (Stavelot, Bélgica): recebe anualmente a F1, sendo uma das pistas favoritas dos pilotos. A temida curva Eau Rouge, feita na subida e em alta velocidade, é uma das mais conhecidas do esporte a motor
  • Crédito: Divulgação
    Suzuka International Racing Course (Suzuka, Japão): única pista em formato de 8, já decidiu diversos campeonatos. Foi aqui que Ayrton Senna conquistou seus três campeonatos (1988, 1990 e 1991). Recebe a MotoGP e diversas categorias locais, como a Super GT
  • Crédito: Divulgação
    Suzuka International Racing Course (Suzuka, Japão): única pista em formato de 8, já decidiu diversos campeonatos. Foi aqui que Ayrton Senna conquistou seus três campeonatos (1988, 1990 e 1991). Recebe a MotoGP e diversas categorias locais, como a Super GT
  • Crédito: Divulgação
    Suzuka International Racing Course (Suzuka, Japão): única pista em formato de 8, já decidiu diversos campeonatos. Foi aqui que Ayrton Senna conquistou seus três campeonatos (1988, 1990 e 1991). Recebe a MotoGP e diversas categorias locais, como a Super GT