Crédito: Visual hunt

Dicas de intercâmbio para trabalhar e estudar

7 de agosto de 2018

Redação

Um programa de intercâmbio para trabalhar e estudar pode exigir um orçamento menor, se comparado aos outros que contam apenas com atividades educacionais. Além disso, a viagem favorece a troca de experiências culturais e, em certos casos, é possível melhorar o networking em uma carreira específica ou até mesmo repensar a escolhida.

A procura por melhorar o currículo e ainda levantar uma graninha extra teve aumento entre os viajantes da CI Intercâmbio e Viagem. Segundo a agência, esse tipo de programa teve um crescimento de 150% em 2017.

LEIA MAIS: INTERCÂMBIO FAMILIAR: O QUE É E COMO FAZER
VIAGEM DE INTERCÂMBIO PODE INCLUIR TRABALHOS VOLUNTÁRIOS

Intercâmbio para trabalhar e estudar: dicas

Unir estudo e trabalho em intercâmbio pode reduzir o custo da viagem e aprimorar a experiência fora de casa

Para aproveitar ainda mais a experiência, confira as quatro dicas dadas por Jéssica Carvalho, especialista da CI :

1. Pesquisar os destinos

Antes de tudo, é indispensável saber em quais países é possível tirar o visto que permite trabalhar e estudar. A partir daí, veja qual se encaixa melhor em seus objetivos, valores e até mesmo quais são os programas oferecidos.

“Nos Estados Unidos, por exemplo, mulheres entre 18 e 26 anos podem trabalhar como Au Pair, ganhando, além de uma ajuda de custo mensal, casa, alimentação e uma bolsa de estudos no valor de USD 500. Já na Austrália e Nova Zelândia, o intercambista deve seguir o ensino progressivo, podendo iniciar em um curso de inglês e depois especializar-se em um profissionalizante. Isso dá a oportunidade de permanecer no destino, criando vínculos empregatícios e investindo em seu currículo”, comenta a especialista.

2. Estar aberto a novas oportunidades

Ao encarar a experiência de trabalhar em outro país, é importante estar disposto a aceitar os diversos trabalhos que possam aparecer, pois o objetivo principal do programa costuma ser o estudo. “A experiência é válida justamente pelo contato com outras pessoas e com o idioma em situações do dia a dia. Por isso, aproveite para colocar em prática tudo que aprendeu na sala de aula”, completa Jéssica.

3. Networking

De acordo com a EY, empresa de serviços como auditoria e consultoria, 41% dos profissionais gostariam de aumentar a rede de contatos, mas acham que não têm tempo suficiente para fazer isso. No intercâmbio, o estudante pode encontrar o momento para expandir sua carreira profissional.

Esse contato com os colegas nativos ou estrangeiros, além de ser uma chance de aperfeiçoar o idioma, é uma oportunidade de criar uma rede de contatos profissionais para futuros projetos, no próprio país ou até mesmo no Brasil.

4. Na cultura

Estudar um idioma em outro país já contribui de maneira positiva no currículo profissional, mas fazer parte do dia a dia de uma empresa no exterior pode dar uma verdadeira alavancada para quem busca sucesso profissional e crescimento pessoal.

“Essa é a oportunidade de começar a pensar fora da caixa, de expandir sua perspectiva global. Experimente novos costumes e aprenda com as diferenças culturais. Estudar no exterior vai te dar uma nova visão, não apenas em disciplinas acadêmicas e profissionais, mas também no modo de vida”, explica Jéssica.

Quer saber mais?

Em 18 de agosto, a CI realizará a feira Trabalhar e Estudar em São Paulo. O evento, que tem como objetivo tirar dúvidas de quem está pensando em fazer um intercâmbio, terá palestras e convidados especiais.

Serviço

Dia: 18 de agosto
Local: Novohotel São Paulo Conventions
Endereço: Rua Martins Fontes, n.º 71 – Centro, São Paulo (a 450 metros do metrô Anhangabaú)
Horário: 12h às 19h