Crédito: Divulgação

Hotel em Pirenópolis oferece hospedagem em casa na árvore

22 de fevereiro de 2019

Por Redação

Para quem busca uma modalidade de estadia mais exótica e a experiência de estar mais perto da natureza, vai aí uma boa dica: hospedagem em casa na árvore. 

Siga a cobertura de nossos repórteres por todo o mundo, diariamente, no Instagram @rotadeferias, com direito a belas fotos e stories curiosos.

Caso isso soe estranho, não se preocupe. Não se trata de uma acomodação, necessariamente, rústica. Pelo mundo, existem opções que aliam conforto e luxo bem em meio ao cenário das florestas. É o tal um sonho de criança que se transforma em realidade para quem viaja em família. Inclusive no Brasil.

Hospedagem em casa na árvore no Brasil

Divulgação
Casa na árvore promove baixo custo de energia | Divulgação
Casa na árvore promove baixo custo de energia

Em Pirenópolis, a 120 quilômetros de Goiânia e 140 km de Brasília, dois microempreendedores– pai e filho – estão desenvolvendo o projeto de uma hospedagem em casa na árvore, batizada de Acácia Tree House.

Com 40 m², residência exótica fica a quatro metros do solo, envolta por um abacateiro adulto. O local contará com quarto, banheiro social, varanda e cozinha equipada para preparar refeições. Há espaço para abrigar um casal com uma criança.

A decoração se destaca pelo  mobiliário com pallets, esculturas naturais e bancadas esculpidas em madeira de demolição. Mas há também comodidades modernas para se contrapor ao rústico: os hóspedes contarão com wi-fi e netflix. Embaixo da casa, uma área de lazer para uso exclusivo será equipada com churrasqueira.

Como nasceu a ideia da hospedagem em casa na árvore

O projeto de hospedagem em casa na árvore é a realização de um sonho do artesão, carpinteiro e microempreendedor Nelton Xavier de Barros, de 47 anos. Nascido e criado em Pirenópolis, Barros desejava promover um turismo acolhedor. “A gente queria criar algo diferente, que valorizasse a natureza e a cultura rural”, explica.

A casa na árvore está sendo construída pelo próprio Nelton e inclui medidas sustentáveis que minimizam os impactos da construção. A cobertura será feita com uma telha ecologicamente correta, proveniente de material reciclado, que tem um processo produtivo de baixo impacto ambiental e é certificada internacionalmente pelos requisitos de sustentabilidade.

LEIA MAIS: 5 HOTÉIS QUE OFERECEM ATIVIDADES CULTURAIS PARA OS HÓSPEDES
OS HOTÉIS MAIS DIFERENTES DO MUNDO

As lâmpadas, por sua vez, serão de LED e com baixa potência, os eletrodomésticos terão a classificação “A”, do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), o que significa o nível máximo em otimização da eletricidade.

O uso da madeira nas paredes e da telha vai dispensar a necessidade de ar-condicionado ou aquecedor, de modo a contribuir para a redução do gasto energético. Sensor anti fumaça, lâmpada de emergência e extintores de incêndio fazem parte dos itens de segurança.

A estrutura não vai utilizar a árvore para sustentação, com o objetivo de preservar a planta.  A edificação, em eucalipto de reflorestamento, será alicerçada por meio de troncos, fixados ao chão.

Divulgação
Contato com o campo | Divulgação
Contato com o campo

Vida no campo

Segundo os idealizadores do projeto, o estímulo de um maior contato com a natureza virá acompanhado do resgate da tradicional vida no campo em Goiás. Esseaspecto que poderá facilmente ser percebido no uso de mobiliário e utensílios rústicos, como gamelas e colheres de pau, fogão a lenha, panelas de ferro e de barro, xícaras e pratos esmaltados, lamparina e lampião a querosene.

A estadia também dará direito ao hóspede de usufruir de toda a estrutura da estância Shambala Piri, que é pet friendly e oferece estacionamento e área de lazer com redário, piscina, ducha e churrasqueira. As reservas para a casa na árvore serão feitas a partir de 23 de fevereiro.

Pirenópolis

A cidade histórica de Pirenópolis atrai viajantes pelas cachoeiras e outras áreas naturais, como o parque e o pico dos Pirineus. O lugar também conta com um lindo casario colonial no Centro Histórico, proveniente da época em que a região era base para a exploração da prata no coração do Brasil.