Crédito: Divulgação

Viaje pela ferrovia Transiberiana, na Rússia

26 de novembro de 2018

Por Redação

A ferrovia Transiberiana é uma ótima opção de passeio para conhecer a essência da Rússia. Ela se estende por mais de 9 mil quilômetros, oferece rotas distintas e passa por oito fusos horários. Quem quer explorar o percurso pode optar por alguns pacotes de viagem, como as opções oferecidas pela Trains & Tours Lufthansa City Center, agência brasileira da TT Operadora.

LEIA MAIS: CONHEÇA A RÚSSIA A BORDO DE UM CRUZEIRO
VIAGEM À RÚSSIA: 8 DICAS PARA VISITAR O PAÍS

Roteiros pela Ferrovia Transiberiana 

O roteiro original parte de Moscou e segue até Vladivostok (pode-se fazer no sentido inverso também) e têm duração de 14 dias. São nove paradas no total, que incluem Moscou, onde o passageiro terá oportunidade de conhecer a Praça Vermelha, a Catedral de São Basílio, o famoso Kremlin e até as estações de metrô, que parecem palácios subterrâneos; Kazan, capital da República do Tartaristão e grande polo cultural da Rússia; Ecaterimburgo, localizada na parte oriental dos Montes Urais, já na fronteira com a Ásia; Novosibirsk, maior cidade da Sibéria, onde há um museu dedicado à ferrovia transiberiana; Irkutsk, repleta de monumentos históricos e considerada a capital oriental da Sibéria; e Khabarovsk, para conhecer importantes museus e fazer um passeio de barco pelo rio Amur, que forma uma fronteira natural entre Rússia e China.

O ponto alto é a visita ao Lago Baikal, Patrimônio Mundial pela UNESCO, que tem 636 quilômetros de comprimento e 80 quilômetros de largura, e é o maior em volume de água doce do mundo, bem como o mais profundo. Ali, os turistas farão um passeio de barco, visitarão o singular museu dedicado à fauna e à flora locais – há mais de 1.000 espécies de plantas e mais de 1.500 de animais – e depois poderão fazer compras em um mercado regional.

Para quem deseja ampliar a riqueza cultural da viagem, outra opção é percorrer o trajeto de Moscou a Pequim, na  China (ou no sentido inverso). O destaque desta rota é que, depois da parada em Ulan-Ude, última cidade russa do roteiro, o trem desviará da ferrovia transiberiana e seguirá pela ferrovia transmongoliana com sentido a Ulan Bator, capital da Mongólia. Ali, os principais pontos turísticos são o mosteiro budista Gandantegchinlen, o maior e mais importante do país; o Memorial Zaisan, em homenagem aos soldados soviéticos mortos na Segunda Guerra Mundial; e a Praça Sükhbaatar, que abriga estátuas de Damdin Sükhbaatar, líder político da Revolução da Mongólia de 1921, e do conquistador Gengis Khan. Por fim, o trem segue viagem e finaliza sua jornada em Pequim.