Família vive em motorhome para dar volta ao mundo

6 de julho de 2018

Por Redação

A família de Rodrigo Nunes está na estrada há cerca de 11 meses. A família vive em motorhome para dar a volta ao mundo.  A viagem, que deve durar cerca de seis anos, tem rota para passar em quase todos os continentes do globo. Ainda em solo brasileiro, o grupo de cinco pessoas  deve ficar por aqui até outubro, quando cruzam a fronteira com o Uruguai. Com estrutura de um lar, o viajante conta como é a a vida na estrada – bom convívio familiar e conforto no Mercedes-Benz 1995 são os principais comentários.

LEIA MAIS: FAMÍLIA PLANEJA VOLTA AO MUNDO A BORDO DE MOTORHOME
CRUZEIRO DE VOLTA AO MUNDO TEM ROTEIROS PARA 2019 E 2020

Família vivem em motorhome: roteiro para dar a volta ao mundo

Quem olha de fora pode não perceber a estrutura interna do veículo. Alguns motorhomes lembram ônibus ou furgões e geralmente são equipados com sala, cozinha, quartos e banheiro. Podem, inclusive, oferecer estrutura voltada para permanências na estrada. Esse é o caso de Rodrigo – acompanhando da esposa e três filhos, o desejo dar a volta ao mundo fez com que trocassem residência e trabalho fixo para cair na estrada.

Reprodução Instagram @mundoemfamilia.com.br
Uma das paradas da família, à beira-mar

roteiro que iniciou no Brasil deve seguir pela América do Sul e chegar até a do Norte, passando por países centrais como Panamá e Nicarágua. Ao visitar destinos dentro do Canadá, Rodrigo conta que embarcarão em um navio para chegar à Europa. “Vamos basicamente onde queremos. A única coisa que pode nos limitar um pouco é a condição da estrada. Mas aí estacionamos nossa ‘casa’ em algum lugar, pegamos um Uber para o destino e depois voltamos.” Mais do dia da família pode ser seguido pelo Instagram @mundoemfamilia.com.br.

Vida sobre rodas

A família vive em motorhome, a bordo de um Mercedes-Benz O400 RSD de 1995 que foi fabricado já como motorhome. De acordo com Rodrigo, o veículo tem 42 m² – para se ter uma ideia, essa metragem está próxima da média de empreendimentos residenciais lançados na cidade de São Paulo. O dado é do do Sindicado da Habitação da cidade (Secovi-SP), no último levantamento feito pela entidade em outubro de 2017.

Reprodução Instagram @mundoemfamilia.com.br
Rodrigo e a família procuram parar em pontos de apoio, como hotéis e estacionamentos

A estrutura do motorhome de Rodrigo conta com quartos para os três filhos, além de outro separado para ele e a esposa. Torneiras e chuveiros no veículo têm água fria e quente. A sala pode ser ampliada para fora em um metro de comprimento.

“O nosso motorhome é grande e oferece uma boa estrutura – equipado com televisão, vídeo game, ar condicionado. Por vezes é até uma briga para os meninos saírem dele. Principalmente onde paramos, pois conseguimos sinal de internet. Além disso, temos um mundo inteiro no nosso quintal – o que mais temos é espaço.”

Rodrigo acrescenta que é a primeira vez da família ao viajar dessa forma. Sobre pertences da antiga casa fixa, ele comenta que não sente falta de quase nada na vida sobre rodas. Detalhes de cozinha, como uma tábua boa para churrasco ou escumadeira para fritura, são itens citados por ele.”Mas, na verdade, percebemos que muita coisa que a gente tinha não precisávamos. Hoje, vejo que temos o que é necessário para viver mesmo.”

Cuidados

O viajante afirma que, no que diz respeito à manutenção do motorhome, não há nada de muito especial. Rodrigo conta que encontra dificuldade apenas com a parte elétrica. “Eletricistas de veículos falam que o que temos é uma casa. Os profissionais de residência afirmam que é um veículo. Entretanto, até agora não tive grandes problemas e estou aprendendo sobre o assunto para quando for necessário.”

Quanto aos reparos devido ao uso, o viajante comenta que acaba fazendo ele mesmo e não é diferente de um veículo a diesel convencional, como caminhões e ônibus.

Desde a aquisição ao trajeto feito até então, o automóvel está com pouco mais de 90 quilômetros rodados. Para o viajante, essa é uma quilometragem baixa se comparado ao porte do veículo. Além disso, Rodrigo afirma que a única manutenção necessária até o momento foi a troca dos itens de borracha do motorhome, como as bolsas de ar da suspensão e a mangueira de combustível.

“Ele estava há um tempo parado quando o compramos. Fora isso, não me deu trabalho algum na estrada e o considero novo.”