Crédito: Visual Hunt

Especialista dá dicas para quem vai viajar sozinho

16 de junho de 2017

Por Maria Beatriz Vaccari

Viajar sozinho é a melhor opção para quem não quer “ficar preso” à agenda de outras pessoas e passear da maneira que bem entender, curtindo o que tem vontade. Entretanto, a experiência pode ser difícil para quem nunca se arriscou antes. Para Amanda Noventa, autora do blog Amanda Viaja e colunista do Estado de S. Paulo, existem algumas dicas que ajudam a planejar uma viagem sem companhia. Confira a entrevista do Rota de Férias com a blogueira:

Rota de Férias: Quais são as principais vantagens de viajar sozinho?

Amanda Noventa: A principal vantagem é que você está livre para fazer o que bem entender e quando bem entender. Não tem que esperar ninguém acordar, não tem briga com horário, com lugar para visitar, nada. E tem uma outra coisa superimportante para uma viagem: quando você viaja sozinho, presta mais atenção nas coisas ao seu redor e, assim, consegue fazer uma imersão maior no lugar e na cultura.

RF: Qual é o primeiro passo que o viajante deve tomar na hora de planejar uma viagem sozinho?

AN: O primeiro passo é aprender a ficar sozinho na própria cidade. Ir ao cinema, jantar e almoçar sozinho. São pequenos exercícios que ajudam a criar uma autoconfiança para ficar só em qualquer lugar do mundo. Outra coisa que funciona bem é fazer uma viagem curta, perto de casa, sem companhia. Ir a uma cidade vizinha, fazer uma bate-volta no litoral, uma trilha ou qualquer coisa diferente da sua rotina.

RF: Quais são as dicas para quem está pesquisando passagens aéreas?

AN: Independentemente viajar de sozinho ou acompanhado, as dicas para passagem aérea são pesquisar bastante em diversos sites, entender qual é a época mais barata e ficar de olho nas promoções. O bom de viajar sozinho é que você pode comprar a passagem sem se preocupar com a agenda de outra pessoa. E também pode adquirir uma promoção de passagem no impulso sem consultar ninguém.

RF: E no caso de hospedagem?

AN: Para quem quer conhecer pessoas durante a viagem, indico hostels ou hostel-boutiques. São lugares com uma galera mais jovem e interessadas em interagir. Verifique se o hostel é mais para festas – estes geralmente são os mais fáceis de conhecer outros viajantes. Pegar um quarto de Airbnb numa casa ocupada também pode ser uma ótima maneira de socializar. Quem prefere uma viagem mais solitária ou introspectiva pode optar pelo hotel tradicional ou alugar um apartamento só para si mesmo.

RF: Como a pessoa deve fazer o planejamento financeiro da viagem?

AN: Uma pesquisa de preços de passagens, hospedagem e atrações é fundamental para ver quanto custa o destino e ter uma estimativa de quanto você irá gastar. E isso você pode colocar numa planilha, num caderninho ou onde conseguir trabalhar melhor. A partir daí, verifique quanto você tem de dinheiro guardado para a viagem e quanto precisa economizar por mês para que ela aconteça.

RF: Vale mais a pena comprar os ingressos de atrações no Brasil ou deixar para adquirir no destino?

AN: Depende do lugar. Algumas atrações devem ser reservadas com antecedência para que você não fique sem lugar. O ideal é pesquisar em sites e blogs antes de viajar e ver quais são as atrações que você quer ir e se elas precisam de uma reserva antecipada.

RF: Você acredita que qualquer pessoa consegue viajar sozinha?

AN: Acredito, sim. O problema não é a viagem em si, mas o que a pessoa aproveitará da experiência. Muita gente acaba se sentindo solitário. E por isso é importante, antes de viajar, se autoconhecer e analisar se você é uma pessoa que consegue ficar sozinha numa boa. Os exercícios que citei, como fazer algumas atividades desacompanhado na própria cidade, ajudam a se preparar nesse sentido.

RF: Existe alguma desvantagem em viajar sozinho?

AN: Às vezes a viagem pode sair mais cara, porque você não divide hospedagem ou transporte, por exemplo. Não ter alguém para tirar fotos também pode ser chato – e é aí que entra a sua cara-de-pau para pedir aos desconhecidos e, quem sabe, fazer novas amizades.