Crédito: Reprodução Instagram/@adri.lage

Entrevista: Adriana Lage fala sobre a rotina de um influenciador de turismo

3 de outubro de 2016

Por Maria Beatriz Vaccari

Viver de turismo e viajar o mundo a trabalho é o sonho de muita gente. Uma das formas mais comuns de tentar se aventurar nessa onda é criar sites e blogs de qualidade relacionados ao tema e tentar viver disso. Para ajudar quem está começando, o Rota de Férias conversou com uma série de influenciadores de turismo que bombam nas redes sociais e contam com milhares de fãs. As entrevistas serão publicadas todas as segundas-feiras e trazem dicas importantes para quem busca se consolidar no ramo.

O primeiro bate-papo rolou com Adriana Lage, que atua como social media influencer de turismo há dois anos. Ela é a fundadora do site A Camminare, que fornece dicas e informações sobre viagens. Dá só uma olhada no que ela tem a dizer:

Rota de Férias: Por que você decidiu apostar nessa área?

Adriana Lage: Desde a adolescência sou fascinada pelo mundo. Sempre juntei todo meu dinheiro para viajar e só há pouco tempo decidi ouvir a recomendação de meus amigos para que eu escrevesse sobre minhas experiências, porque eu inspiro as pessoas com minha maneira de falar e escrever.

RF: Qual é o objetivo e o público-alvo do A Camminare?

AL: A Camminare é um blog para inspirar as pessoas a viajarem e conhecerem o mundo. Falo sobre os caminhos que eu percorri e as experiências que vivi, os roteiros que fiz, os lugares que visitei e algumas inspirações que estão na lista e eu acredito ser bacana compartilhar com meus leitores. O foco é em turismo de experiências e também tenho uma seção que fala de destination wedding, para um público variado, desde aquele que busca um roteiro diferente como para quem busca sofisticação.

RF: Quando percebeu que seria legal investir em mídias sociais e se tornar um influenciador de público?

AL: Na verdade, nunca pensei em me tornar influenciador de público, mas foi acontecendo. Recebo muitos comentários de pessoas dizendo que eu as inspiro e as faço viajarem pelas minhas palavras, então acho que isso foi cativando-as e fazendo-as voltarem.

Foto: Divulgação/@adri_lage
20150310_125418-1
Adriana Lage tem 18,5 mil seguidores no Instagram

RF: Quais são as mídias sociais que você mais usa?

AL: Meu xodó é meu Instagram pessoal. Ali a interação é mais imediata, faço amigos. Outra coisa que eu adoro é ver fotos, um hobby que tenho. O “Insta” é o melhor lugar para compartilhar fotos inspiradoras e ver outros olhares. Hoje tenho 18,5k seguidores e um ótimo engajamento nos comentários.

RF: Como você fez para atrair seguidores no começo?

AL: Eu buscava pessoas que gostavam de viagem em hashtags, no perfil de agências de viagem, de blogueiros ou de amigos de amigos. Se você curtir e comentar as fotos deles, a maioria vem até o seu perfil para ver quem você é. Quando gostavam do que encontravam na minha página, acabavam voltando.

RF: De que forma você trabalha a manutenção e conquista de novos seguidores?

AL: É um trabalho árduo, de formiguinha. Respondendo aos comentários, tirando dúvidas, tratando-os como amigos – porque realmente se tornam amigos! E muitos deles têm perfis adoráveis que eu também visito.

RF: Você usa algum tipo de macete para bombar nas redes sociais?

AL: Eu procuro postar logo pela manhã durante os dias da semana, porque a chance do post ser visto ao longo de todo o dia é maior, mesmo sabendo que as duas primeiras horas são as de mais movimento. Também uso hashtags relacionadas à foto e de algumas galerias de viagem onde eu tenho a chance de ser escolhida para destaque. Em uma foto das pirâmides de Giza, por exemplo, eu uso hashtags #egito #egypt #cairo #piramides #pyramids.

RF: E quanto à frequência das postagens?

AL: Não tenho frequência, depende do meu tempo e da minha inspiração. Perguntei para uma funcionária do Facebook e ela me disse que a frequência não é relevante para o Instagram (as empresas são do mesmo grupo) te dar prioridade, mas sim o engajamento do público.

RF: Qual é a importância de interagir com os seguidores?

AL: As pessoas querem ser ouvidas, vistas e atendidas. Acho super importante responder a um comentário de um seguidor, afinal, ele dedicou seu tempo para compartilhar sentimentos com você. Sobre ser atuante, além de ganhar mais seguidores fiéis, você também aprende sobre outros lugares e experiências.

Foto: Divulgação/@adri_lage
img_20160709_083226
Com dicas de viagens, A Camminare também faz sucesso no Facebook

RF: Você costuma impulsionar páginas e posts no Facebook?

AL: Já usei impulsionamento de páginas e posts do Facebook e o resultado foi péssimo, mesmo segmentando mercado. Não gasto mais dinheiro com isso.

RF: O Instagram tem ferramentas de controle de posts, sem contar a possibilidade (não recomendada) de comprar seguidores falsos. Como você enxerga tudo isso?

AL: É um princípio ético meu não comprar seguidores e curtidas falsas. Dessa maneira, estou enganando meu cliente parceiro, seja um hotel ou um destino. Não trarei o resultado esperado e, a médio prazo, meu nome estará queimado no mercado. É muito difícil ganhar seguidores organicamente quando você não tem outro canal de divulgação, como um blog super acessado, ou artigos sobre você publicados na mídia. O mercado está tomando consciência disso e, hoje, busca observar o engajamento. Isso significa observar o quanto seus seguidores comentam suas páginas e quem são esses seguidores ativos, porque engajamento de comentários (ainda) não se compra.

RF: Quais equipamentos você usa para produzir suas fotos e vídeos?

AL: Uso uma DSLR, Sony Alpha-65 e meu Samsung Galaxy. Ainda não comprei uma GoPro, mas está planejada para mês que vem. Para uso em redes sociais, não vejo muita diferença (além do peso). O que importa é o olhar. Até mesmo para revistas impressas, uma foto de celular serve. Tirei uma foto linda de celular há dois meses em Corralco, no Chile, e a editora-chefe de uma revista para qual colaboro a escolheu como foto de capa de reportagem!

RF: Que ferramentas de edição e tipos de efeito em imagem você costuma usar mais?

AL: Às vezes, uso Adobe Lightroom para trazer de volta a cor e o brilho do lugar. Não uso efeitos nem filtros, o máximo que faço é intensificar a cor alaranjada do pôr do sol.

Foto: Divulgação/@adri.lage
img_20160409_092330
Próximo passo do A Camminare é investir na produção de vídeos

RF: Além de conquistar audiência, é possível ganhar dinheiro e monetizar o negócio por meio das mídias sociais?

AL: É possível sim. Montando projetos de divulgação para destinos e estabelecimentos, mas sem perder a personalidade de seu perfil.

RF: Diante de toda a sua experiência, qual lugar do mundo mais te encantou?

AL: É difícil responder, porque cada lugar tem seu encanto. Mas, sem dúvida, o Egito foi o mais marcante porque era um sonho de infância. Eu passei um ano preparando cada detalhe da viagem em guias impressos e sites de viagem. Li mais de 15 livros sobre a história egípcia, além de sites e revistas. Passei 25 dias lá, percorrendo o Nilo de norte a sul, além da Península do Sinai. Quando cheguei, pela primeira vez na vida, não conseguia pensar no próximo destino. Eu pensava: “e agora, qual lugar no mundo pode ser tão mágico quanto este?”. Demorei uns três meses para começar a olhar para outros lugares (risos).

RF: Quais são os seus próximos objetivos?

AL: O próximo objetivo é produzir vídeos. Passei dois meses em treinamento intensivo no Senac Lapa, em São Paulo, para aprender as noções básicas do que é certo e errado fazer atrás e na frente das câmeras. Em breve estará no ar!

RF: Quais dicas você daria para quem deseja se tornar um social media influencer de turismo?

AL: Primeiro: fazer por amor, porque demanda tempo e paciência. Segundo: seja você mesmo, tenha personalidade própria. Se for para ser igual aos outros você terá mais dificuldades para se destacar. Terceiro: tenha conteúdo interessante, diga-se fotos bonitas e textos que agreguem valor e que inspirem. Por último, mas não menos importante, interaja sempre com os seus seguidores.