• Crédito: Shutterstock.com

    Marrakech

  • Crédito: Shutterstock.com

    Mercado de especiarias

  • Crédito: Shutterstock.com

    Mesquita Koutoubia

  • Crédito: Shutterstock.com

    Souk

4 DIAS EM MARRAKECH


UM ROTEIRO PERFEITINHO PARA MERGULHAR EM TODO O EXOTISMO DE MARRAKECH, A CIDADE MAIS TURÍSTICA DO MARROCOS

1 º dia +

Mapa da sua rota

Marrakech: o que fazer em Marrocos

Praça Jeema El-Fna e Mesquita Koutoubia

– Ao chegar, convém já ter um transfer agendado com seu hotel na cidade – o assédio dos taxistas aos turistas que tentam negociar o preço de uma corrida do aeroporto ao hotel chega a ser opressor.

– Deixadas as malas no hotel, é hora de rumar para o coração pulsante de Marrakech: sua praça Jeema El-Fna, dentro da Medina. O melhor horário para chegar ao ponto turístico declarado como patrimônio da humanidade pela Unesco é o final da tarde.

– Vale caminhar, com sol, da entrada da Medina à praça, passando pela bela Mesquita Koutoubia e seu minarete.

– Aproveite para tomar um delicioso (e baratíssimo) suco de laranja feito na hora numa das muitas barraquinhas espalhadas pela praça, entre tatuadoras de hena, leitores da sorte e adestradores de cobras e macacos.

– Se preferir, suba num dos rooftop cafés da praça e peça um drinque para acompanhar o espetáculo lá de cima.

– Quando o sol começar a cair e a noite estiver surgindo, as barraquinhas da praça que estavam lá durante o dia são substituídas por outras maiores, com grelhas fumacentas, que vendem distintos tipos de alimentos locais e churrasquinhos marroquinos – com direito a música típica ao vivo e batuques nos arredores.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
2 º dia +

Mapa da sua rota

Marrakech: o que fazer em Marrocos

Medina

– Dedique o segundo dia inteirinho à Medina, a cidade amuralhada antiga. Ali, vale passear sem rumo por suas ruelas labirínticas prestando atenção à vida cotidiana e à beleza impressionante de suas portas.

– Impossível não se perder (literal e figurativamente) pelos souks, os mercados de rua da Medina, organizados segundo o tipo de produto que vendem: couros, sapatos, tapetes, bijuterias, metais nobres…

– Ao fazer compras, é mandatório barganhar, pechinchar, gastar seus conhecimentos numéricos em qualquer língua: os vendedores se viram super bem em inglês, espanhol e francês e, por vezes, até alemão e português! Deixe-se seduzir e sair dali cheio de sacolinhas.

– O Herboriste du Paradis é uma farmácia berbere que vende todo tipo de especiarias, ervas e muitos, muitos óleos e perfumes. Também vale a espiada.

– Imperdível mesmo é a Ben Youssef Madrasa, a antiga escola de meninos da cidade, convertida hoje em museu com impressionantes pisos em mármore e paredes esculpidas.

– Vá às Tumbas Saadianas, que compõem a necrópole que guarda os túmulos da família homônima e algumas outras pessoas ligadas a eles – o mausoléu mais importante é o do sultão Ahmed El-Mansour, ao lado da Mesquita Kasbah.

– Depois de tanta história e tradição durante o dia, um pouco de contemporaneidade à noite cai bem: aposte no Bo-zin, o bar-balada queridinho dos jet setters do mundo inteiro quando estão na cidade.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
3 º dia +

Mapa da sua rota

Marrakech: o que fazer em Marrocos

Guéliz, Menara e Majorelle

– Hora de conhecer a Marrakech mais moderna. Guéliz, como é chamada essa parte da cidade, tem prédios mais altos, largas avenidas, grifes internacionais, lojas de fast food, bancos e caixas eletrônicos aos montes.  Galerias de arte também abundam por ali.

– Dali, rume ao contemporâneo Jardim de Majorelle, uma antiga casa convertida em museu por Yves Saint Laurent. Louis Majorelle, antigo dono, tinha ali mesmo uma coleção louvável de árvores e plantas provenientes dos cinco continentes – incluindo bananeiras do Brasil e exóticas árvores asiáticas.

– Depois, contemple os belíssimos Jardins de Menara e seu lago, com direito a conhecer um impressionante sistema que irriga suas oliveiras e plantas com águas provenientes da cadeia do Atlas e um pequeno palácio real do século 19.

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.
4 º dia +

Mapa da sua rota

Marrakech: o que fazer em Marrocos

Pra lá da cidade

– Que tal ir literalmente “pra lá de Marrakech”? As duas escapadas mais gostosas da cidade (que valem até programar um quinto dia por ali para não perder nenhuma delas!) são o tour pelo Vale do Ourika, o fértil vale de especiarias e cachoeiras com vista para o Atlas, ou a viagem a Essaouira, a encantadora cidade branca à beira do Atlântico.

– Nos dois casos, os passeios são vendidos em qualquer hotel ou agência da cidade e são feitos com saída do hotel pela manhã e retorno a Marrakech no final da tarde, a tempo de ainda fazer umas últimas comprinhas no souk e se preparar para a última noite na cidade.

– Para despedir com chave de ouro antes de deixar Marrakech no dia seguinte, vale um drinque no Pop up Bar do belíssimo hotel Four Seasons. Tema, decoração, bebidas e cardápios do bar mudam o tempo todo e atraem os turistas e moradores mais descolados da cidade – com direito a excelente trilha sonora.

 

* Todos os roteiros indicados foram visitados pela equipe de reportagem do Rota de Férias.

Serviços

Restaurantes+

Al Fassia (http://www.alfassia.com/en)

Comida tradicionalmente marroquina em sua melhor essência é o que está sempre no cardápio deste restaurante, muito frequentado por moradores locais e inteiramente conduzido por mulheres, numa sociedade ainda bastante machista. Localizado em Guéliz, abre para almoço e jantar, tem ótimos preços e está sempre concorrido.

Terrace des Épices (http://www.terrassedesepices.com/)

O restaurante de menu franco-marroquino do jovem chef Kamal Laftimi, no coração do souk, é parada obrigatória para um almoço light no meio das compras ou, pelo menos, um chá, sucos fresquíssimos e até um drinque no seu rooftop com vista panorâmica para a Medina – e wi-fi grátis.

Grand Café de la Poste (http://www.grandcafedelaposte-marrakech.com/)

Com décor inspirado nos anos 20, também tem menu franco-marroquino mas surpreende com ostras frescas e saladas com queijo de cabra perfeitas para um almoço mais light no calorão que costuma assolar a cidade.

Hotéis+

Riad Jnane Mogador (http://www.booking.com/hotel/ma/riad-jnane-mogador.fr.html?aid=356986;label=gog235jc-hotel-XX-ma-riadNjnaneNmogador-unspec-br-com-L%3Afr-O%3AwindowsS7-B%3Achrome-N%3AXX-S%3Abo-U%3AXX;sid=d582239a792827e915ee236b860c2943;dist=0&sb_price_type=total&type=total&)

Para aproveitar o charme da hospedagem tradicional de um riad dentro da cidade antiga de Marrakech pagando pouco, o Jnane Mogador é uma das melhores opções, com direito a decoração típica nos quartos, hamman e um rooftop com vista espetacular para a Medina e a cidade em geral – tudo por desde 30 euros o quarto.

Four Seasons Marrakech (http://www.booking.com/hotel/ma/four-seasons.pt-br.html)

Considerado por muitos o melhor hotel da cidade, o Four Seasons Marrakech faz jus à excelência em serviço da rede Four Seasons, com arquitetura inspirada nos antigos riads e palácios marroquinos, cheios de detalhes, portas esculpidas, cores e muita luz natural. Serviço impecável, excelentes restaurantes, spa impressionante e piscinas que funcionam como um oásis no calor e agito da cidade.

La Mamounia (http://www.grandluxuryhotels.com/hotel/la-mamounia-marrakech?adid=marrakech-du261114-LLHiMSVBN&gclid=Cj0KEQjw75yxBRD78uqEnuG-5vcBEiQAQbaxSPbs67an1Gqyt23PXi3-oWiTnTFM6p--J6jcgJudh_gaAmiJ8P8HAQ)

O mais icônico (e um dos mais antigos) hotelões da cidade foi inteiramente renovado há alguns anos e é o único hotel de luxo dentro da Medina de Marrakech. Com jeito de palacete e muita pompa no serviço impecável, vale a visita mesmo para não hóspedes, inclusive ao seu clássico Churchill Bar.

Noite+

Agito ocidental

Apesar de todo o machismo e tradicionalismo encontrados na cidade antiga e diversos outros pontos de Marrakech, a noite nas áreas mais modernas da cidade ferve como em qualquer capital europeia. Muitas das casas mais famosas pelas baladas que terminam com o nascer do sol mantêm, durante o dia e começo da noite, ótimos restaurantes, para quem quiser fazer tudo no mesmo lugar – como o hors-concours Bô-zin (de restaurante homônimo) e a Pacha (com seu top restaurante Crystal). Tudo com direito a mulherada em minissaias e tops decotados ou tomara que caia. Mais na vibe show, o Le Comptoir, numa enorme villa Art Deco, tem um lounge com mais cara de cabaré, com direito a pin ups e dança do ventre.

Curiosidade+

Contrastes

Não é de hoje que Marrakech seduz e encanta turistas de todas as nacionalidades. Agitada, vibrante, barulhenta mesmo, tomada por aromas das mais distintas especiarias e pelas paredes e muralhas que adquirem um tom rosado quando bate o sol, tem sempre o sedutor contraste da sociedade supertradicional marroquina com os jet setters internacionais, a fumaça espalhafatosa das grelhas da praça Jeema El-Fna versus os drinques badalados dos hotéis mais luxuosos da cidade – tudo convivendo lado a lado, quase de forma coreográfica.

Booking.com