Crédito: Paulo Basso Jr.

Conheça Garmisch-Partenkirchen, joia dos Alpes alemães

23 de fevereiro de 2018

Por Paulo Basso Jr.

As vilas alemãs de Garmisch e Partenkirchen, que compõem hoje uma única cidade, localizada nos Alpes da Bavária e podem ser visitadas a partir de Munique, têm origem muito antiga.

LEIA MAIS: ROTEIRO DE 4 DIAS COMPLETO PARA CURTIR A ROTA ROMÂNTICA ALEMÃ
O QUE FAZER EM BERLIN: ROTEIRO DE 4 DIAS

As primeiras citações a Partenkirchen remontam aos tempos da colonização romana na região e datam do ano 15 d.C. O local, então chamado de Partanum, servia de passagem aos viajantes que atravessavam as montanhas indo de Veneza a Augsburgo.

Garmisch, por sua vez, apareceu somente séculos depois, como assentamento germânico, no ano de 802.

  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Garmisch-Partenkirchen
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Garmisch-Partenkirchen
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Zugspitze, em Garmisch-Partenkirchen
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Trem que leva à estação de esqui em Garmisch-Partenkirchen
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Garmisch-Partenkirchen
  • Crédito: Paulo Basso Jr.
    Garmisch-Partenkirchen

Garmisch-Partenkirchen: Olimpíadas de Inverno

Os dois de vilarejos tornaram-se mais conhecidos a partir de 1936, quando o ditador Adolf Hitler ordenou que eles fossem unidos para, juntos, abrigar os Jogos Olímpicos de Inverno.

Deste então, Garmisch-Partenkirchen tornou-se um dos principais centros de esportes de inverno do país.

Garmisch-Partenkirchen: o que fazer

Ao sul da cidade, já na fronteira com a Áustria, fica a montanha mais alta da Alemanha, Zugspitze, que chega a 2.962 metros e oferece um maravilhoso topo nevado para esquiar.

Com quase 120 km de pistas de todos os níveis de dificuldade, Zugspitze também tem 109 km de trilhas, um parque de formações rochosas e o primeiro superpipe (estrutura para a prática de esportes radicais) da Alemanha.

O melhor de tudo é que dá para chegar lá de trem, em uma lenta, porém majestosa subida, em que é possível contemplar paisagens dignas de desenhos infantis, com casinhas de madeira isoladas e lagos em meio a vales com declives a perder de vista.

Zugspitze, o pico mais alto da Alemanha

Escalar os quase 3.000 metros do Zugspitze, que abriga em seu pico há mais de 100 anos uma estação de meteorologia, é tarefa apenas para esportistas muito bem treinados.

Mas ninguém precisa desistir de uma visita ao mirante, ou ao hotel e restaurante que ficam naquelas alturas, que só perdem a camada espessa de neve no alto verão.

Garmisch-Partenkirchen: dicas

Apesar de hoje ser muito famosa por ser uma cidade de esportes de inverno, a principal da Alemanha, Garmisch-Partenkirchen não se resume a esqui, snowboard, patinação e alpinismo.

Entre as típicas casas bávaras e os charmosos cafés e bares de jazz, a cidade também conta com construções do século 18, como a igreja de St. Martin, além de abrigar excelentes hotéis e restaurantes.

Sejam casas comerciais ou residenciais, as fachadas são ornamentadas com pinturas e esculturas belíssimas, a maioria com motivos religiosos.

Quando ir

A cidade é tão bonita que parece saída de um conto de fadas. As montanhas com picos cobertos de neve são salpicadas de pequenas vilas de casinhas coloridas e lagos por todos os lados.

Para ver esses cenários no seu melhor estado, o melhor é viajar entre dezembro e março. Isso porque Garmisch-Partenkirchen fica especialmente linda no inverno.

Mesmo relativamente grande para uma estância de inverno, com quase 30 mil habitantes, Garmisch-Partenkirchen mantém um bucólico clima rural. Não é difícil encontrar por lá camponeses em trajes típicos e vacas pastando calmamente em colinas verdes.

Texto adaptado de original publicado no livro 50 Lugares Inesquecíveis de Inverno, da Editora Europa.