Como comprar passagens aéreas com segurança

26 de junho de 2017

Por Redação

Por Tom Canabarro*

As férias de julho estão batendo à porta, e muitas pessoas aproveitam a temporada para organizar uma viagem para fugir da rotina e repor as energias. Esse é um período muito concorrido, já que a maioria das famílias optam por viajar por conta do recesso escolar.

Uma das principais tarefas para este período é a compra da passagem, seja ela aérea ou rodoviária. Muitos consumidores não sabem, mas precisam ter muito cuidado ao adquirir os bilhetes: existem criminosos que atuam como supostos agentes de viagem e seduzem os viajantes com promoções de passagens imperdíveis. No entanto, este desconto tentador pode resultar em uma dor de cabeça capaz de frustrar a viagem de um cliente desavisado.

LEIA MAIS: Como evitar e lidar com o overbooking
Esqueceu de alguma coisa importante? App promete salvar a sua viagem

 A lógica por trás deste tipo de golpe é simples: um criminoso anuncia em sites ou em redes sociais a venda de passagens por preços que podem chegar a ser até 70% mais baixos que os praticados pelas companhias aéreas ou rodoviárias. O falso agente de viagem, porém, só emite estes bilhetes para datas próximas ao embarque e, normalmente, recebe pagamentos via transferência bancária – nunca por cartão de crédito.

O estelionatário, então, realiza a compra desta passagem de maneira fraudulenta, com cartões de crédito clonados, e emite o voucher. Para o passageiro, há o grande risco de que as operadoras de cartão ou as companhias aéreas/rodoviárias detectem o golpe e cancelem o bilhete. O cliente, além de sofrer o prejuízo financeiro, ainda corre o risco de passar por um enorme constrangimento.

Confira dicas para evitar ciladas durante a compra de passagens pela internet:

1. Pesquise bastante
O primeiro passo é pesquisar e procurar muito pelo agente ou pela agência de viagem de quem você vai adquirir a passagem. Ao escolher a empresa, procure saber sua idoneidade para ter a certeza de que ela existe de fato. Uma dica importante é realizar buscas em sites de reclamações e nas redes sociais para saber se outros clientes já tiveram algum tipo de problema com a compra – e, se tiveram algum contratempo, como foi feita a solução do caso.

2. Atenção à forma de pagamento
Um indicador importante para comprar em um site é saber se ele aceita pagamentos via cartão de crédito – a forma de pagamento online mais segura para o consumidor. No caso de passagens, se a tarifa cobrada pela agência for muito baixa e o pagamento for somente por transferência bancária, tome cuidado! Uma vez realizada a transferência, o cliente não tem o apoio do banco para ser ressarcido em caso de golpe.

3. Prazo de embarque
Após verificar esses detalhes, outro ponto de atenção é com relação ao prazo de embarque. Se achar uma passagem com a data da compra muito próxima da de embarque, fique atento. Normalmente, os fraudadores utilizam disso para que o cliente não tenha a opção de cancelar o embarque ou mesmo acionar o banco emissor de que é fraude.

4. Desconfie de preços muito baixos
Todas os pontos de atenção anteriores devem ganhar atenção redobrada no caso desta última dica. Quando o preço praticado por uma agência de viagem menos conhecida for muito menor em comparação ao que está sendo cobrado pelas companhias aéreas ou rodoviárias, o perigo aumenta. Portanto, bastante atenção com “promoções imperdíveis” com descontos entre 40% e 70% – especialmente para viagens com embarque imediato e prazos de embarque apertados.

Moral da história: sempre estamos em busca de promoções e das melhores condições de compra, especialmente durante o planejamento das nossas férias. No entanto, apesar de toda a comodidade que o e-commerce nos oferece, é preciso ter um mínimo de atenção para não cairmos em armadilhas de pessoas mal-intencionadas. Para estas férias de julho, pesquise muito e programe o orçamento para que todos possam aproveitar com bastante diversão.

*Tom Canabarro é co-fundador da Konduto, sistema antifraude inovador e inteligente para barrar fraudes na internet sem prejudicar a performance das lojas virtuais.