Crédito: Reprodução/Instagram

Amanda Noventa fala sobre os desafios de manter um blog de turismo

28 de novembro de 2016

Por Maria Beatriz Vaccari

Natural de Jundiaí, interior de São Paulo, Amanda Noventa decidiu apostar no mundo do turismo em 2013, ano em que começou a divulgar dicas, experiências e relatos de viagens no blog Amanda Viaja. Ela também atua como colunista de turismo do Estadão e é autora dos livros  “Histórias para Viajar” e “Não comprei na Zara. Gastei na viagem”, lançado recentemente. O Rota de Férias conversou com a blogueira, que falou sobre os principais desafios enfrentados por quem decide se tornar um influenciador da área. Acompanhe:

Rota de Férias: Qual é o objetivo do Amanda Viaja?

Amanda Noventa: Quando eu comecei o blog, percebi que o que mais gostava de fazer era contar minhas histórias de viagem. Por isso, trata-se de um site bem pessoal, com dicas e relatos das viagens que eu faço.

Foto: Reprodução/Instagram
screenshot_3

Amanda conquistou 36 mil fãs com suas fotos no Instagram

RF: Quando percebeu que seria legal investir em mídias sociais e se tornar um influenciador de público?

AN: Hoje em dia, as mídias sociais são ferramentas básicas para a divulgação de um blog. Uso-as desde que comecei o Amanda Viaja. Atuo mais no Instagram, Facebook e YouTube.

RF: Como você faz para atrair seguidores e bombar no Instagram?

AN: Não tenho uma estratégia pronta, para falar a verdade. Acredito que o principal é oferecer um bom conteúdo. Publico o que acredito que seja legal e deixo a audiência aparecer naturalmente. Também não tenho uma regra de frequência para as postagens. Quando estou viajando posso postar mais de uma foto por dia. Em dias normais, quando estou por aqui, às vezes não posto nada.

RF: Qual é a importância de interagir com os seguidores e ser atuante em outras páginas do gênero, com comentários e curtidas, por exemplo?

AN: É importante, mas tem que ser natural para funcionar. Não adianta forçar a barra.

RF: Como você enxerga essas ferramentas de impulsionamento de postagens do Facebook e Instagram?

AN: Apesar de terem saído mil pesquisas dizendo que o número de seguidores não quer dizer nada, acho que o mercado continua apegado a isso. Por isso, impulsiono posts de vez em quando para divulgar algo que seja importante.

RF: Quais equipamentos você usa para fazer e editar fotos e vídeos?

AN: Uso apenas meu celular, que tem uma boa câmera. Tenho uma GoPro, mas nunca me dei bem com ela. Na hora de postar uso o editor do Instagram para algumas correções de luz.

Foto: Reprodução/Instagram
screenshot_4

Para a profissional, o importante é oferecer bom conteúdo e ser natural

RF: Além de conquistar audiência, é possível ganhar dinheiro e monetizar o negócio por meio das mídias sociais?

AN: Algumas pessoas conseguem fazer #publi (postagens publicitárias) nas redes sociais. É uma prática bem comum hoje em dia.

RF: Diante de toda a sua experiência, qual lugar do mundo mais te encantou?

AN: Atacama e Patagônia

RF: Quais são os seus próximos objetivos?

AN: Agora estou focada em aumentar a publicidade nos meus projetos, divulgando bons conteúdos e conquistando mais audiência.

RF: Quais dicas você daria para quem deseja se tornar um social media influencer de turismo?

AN: É importante ter em mente que viajar de graça não paga as contas e ganhar dinheiro com turismo é muito mais difícil do que com um blog de moda, por exemplo.