Crédito: Paulo Basso Jr.

Bahamas: estresse zero nas praias do arquipélago

2 de março de 2018

Por Paulo Basso Jr.

Bahamas é uma espécie de palavra mágica, que desperta na cabeça de qualquer um a imagem de um lugar dos sonhos, com praias de areia branquinha banhadas por águas azuis de cair o queixo.

Para brasileiros, particularmente, o arquipélago formado por 700 ilhas e cerca de 2,5 mil ilhotas distribuídas entre o Oceano Atlântico e o Mar do Caribe, a sudeste da Flórida (Estados Unidos), soma a isso o conceito de ser um destino caro e quase inatingível, voltado para poucos e endinheirados sortudos.

LEIA MAIS: VIAJANTES PRECISAM DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA PADRÃO
DISNEY DREAM: O NAVIO DE CRUZEIRO DA DISNEY VAI A BAHAMAS

Paulo Basso Jr.

Todas as praias de Bahamas são públicas

De fato, hospedar-se por uma semana em um dos muitos resorts que se espalham pela dupla de ilhas que concentra boa parte do turismo local, New Providence, onde fica a capital Nassau, e Paradise Island, não é algo barato.

Bahamas: quanto custa

Os preços dos pacotes de uma semana com passagem e hospedagem cobrados pelas operadoras de turismo giram em torno de R$ 5 mil por pessoa. Isso é quase o dobro dos roteiros semelhantes praticados em outras figurinhas carimbadas do Caribe, como Punta Cana ou Cancún.

Isso ocorre porque Bahamas importa dos Estados Unidos quase tudo o que precisa para se sustentar, inclusive água, comida e energia, com impostos pesadíssimos. Para piorar, não há voo direto e o melhor jeito de chegar ao arquipélago é via Miami, o que exige a retirada do visto norte-americano.

Paulo Basso Jr.

Arquipélago é muito visitado por americanos e endinheirados

Não à toa, chovem americanos por lá, sobretudo no verão do Hemisfério Norte (junho a agosto). Isso faz com que o dólar norte-americano corra solto no pedaço, apesar de o dólar bahamense ser a moeda oficial.

A água azul das Bahamas

De qualquer forma, todo e qualquer investimento feito por quem busca uma viagem especial, como uma lua de mel, vale a pena para conhecer as paisagens desse magnífico punhado de ilhas, cuja realidade é ainda melhor que a imagem mágica despertada pela palavra Bahamas.

É sério! St. Maarten/St. Martin, Aruba e outros lugares do Caribe têm praias lindas, mas não iguais às bahamenses.

Paulo Basso Jr.

Os diversos tons de azul das águas de Bahamas

Por abrigar a terceira maior barreira de recifes do mundo, atrás apenas de Austrália e Belize, as águas de Bahamas são manchadas por dezenas de tons de azul: claro, escuro, turquesa, calcinha, anil, esverdeado e por aí vai, trazendo à tona um efeito visual único.

Cristalinas a ponto de causar confusão nos olhos – é difícil saber onde está exatamente o fundo do mar –, sevem de habitat para centenas de espécies de peixes e atraem mergulhadores do mundo inteiro, profissionais ou não.

Além disso, todas as praias do país são públicas e a (sábia) lei não permite que os resorts limitem as melhores faixas de areia a hóspedes.

Bahamas: puro relax

Outra característica intimamente relacionada à imagem comum que se tem de Bahamas é o espírito de dolce far niente que paira em Nassau/Paradise Island.

Paulo Basso Jr

Bahamas é um lugar perfeito para quem deseja relaxar

Tudo porque enquanto em outros lugares do Caribe é comum se meter em passeios e trilhas por tudo que é lado, nas Bahamas há poucos tours para fazer e sobra tempo para se decidir entre a piscina e a praia. Tudo isso em meio à duríssima tarefa de esticar o pé para o alto e solicitar para alguém trazer uma bebida gelada.

Uma voltinha não dói

Depois de passar dois ou três dias se acabando com a dúvida cruel de qual é o melhor lugar para passar o dia, a praia ou a piscina, vale a pena passear um pouco em Bahamas.

O esquema é seguir para o centro de Nassau. De Cable Beach, onde ficam os principais resorts e hotéis da capital, ou Paradise Island, que é ligada a Nassau por uma ponte e forma com New Providence um porto natural, são 10 ou 20 minutos de táxi, respectivamente, quando não há trânsito.

Paulo Basso Jr.

Noite em Paradise Island: hora de sair do resort e passear

É bom evitar os horários de pico, como o começo da manhã e o fim da tarde, pois além do tempo perdido em meio ao mar de carros, você terá de amargar com o preço alto da corrida – 10 minutos rodados giram em torno de US$ 35.

Cultura das Bahamas

Durante o trajeto, é interessante reparar na mistura africana e britânica que molda a cultura bahamense.

Dos primeiros, destacam-se a alegria contagiante do povo, o andar solto embalado pela batida da percussão que ecoa dos bares e as cores coloridas que enfeitam as casas de madeira, envoltas por uma vibe tipicamente praiana.

Divulgação Turismo Oficial

A rica cultura de Bahamas

Já dos ingleses, que colonizaram o arquipélago e o usaram para abrigar inúmeros escravos negros após a independência dos Estados Unidos, ficou o idioma, a mão invertida do trânsito, o uniforme formal das crianças que saem da escola, os cartazes de chá da tarde na porta dos restaurantes e a arquitetura dos prédios administrativos, como o complexo cor-de-rosa que abriga o parlamento e a residência do governador-geral.

Pontos de interesse em Nassau

Residência do governado-geral

Pintada de amarela, ela duas curiosidades: é lá que fica o representante da rainha Elizabeth II – já que, embora independente desde 1973, o país continua sob a tutela política da coroa britânica – e a entrada é marcada por uma grande estátua de Cristóvão Colombo.

Isso porque, como quase todas as ilhas do Caribe, Bahamas também defende que o primeiro lugar das Américas em que o conquistador chegou não foi a República Dominicana, mas sim uma área de seu território, chamada San Salvador.

Centros comerciais

A residência do governador-geral fica próxima ao porto, rotineiramente visitado por navios de cruzeiros enormes que singram as águas do Caribe e esticam até Bahamas, e também aos principais centros comerciais do país.

Paulo Basso Jr.

Há diversos centros comerciais em Bahamas

Um deles é o Straw Market, ou mercado de palha, onde é possível comprar artesanatos. Outro é a Bay Street, rua que concentra bares, restaurantes e uma infinidade de lojas no esquema duty free.

Mas não se anime: apesar de não haver impostos, os preços não são dos melhores. Só vale a pena comprar as famosas lembrancinhas, mesmo assim pechinchando muito, pois a barganha faz parte da cultura local.

Escadaria da Rainha

Uma boa dica é andar até a Elizabeth Avenue, onde fica a Escadaria da Rainha. Trata-se de uma escada de 65 degraus entalhados por escravos em calcário sólido no final do século 18. Com 31 metros de altura, o local foi batizado em homenagem aos 65 anos do reinado da rainha Vitória.

Paulo Basso Jr.

Escadaria da Rainha, um dos pontos de interesse de Nassau

Subir esses degraus é o maior esforço que você fará em Bahamas, e com a recompensa de que lá em cima pode-se alcançar rapidamente o Forte Finscale.

Forte Finscale

Com a frente em formato de proa do navio, a edificação construída em 1973 remete a um capítulo interessante da história de Bahamas: o das batalhas contra os piratas.

Paulo Basso Jr.

Fort Finscale, em Nassau

Reza a lenda que Edward Teach, mais conhecido como Barba Negra, o maior de todos os pilantras do alto-mar, viveu muitos anos na região e teria até se proclamado governador de Nassau.

Com as bandeiras negras com crânios e ossos cruzados já foram baixadas há tempos, o forte serve atualmente como um ótimo mirante, de onde é possível avistar boa parte de Nassau (inclusive o porto) e Paradise Island.

Hotel Atlantis Bahamas

Paradise Island é a casa do Atlantis, um complexo hoteleiro tão grande que se transformou no principal cartão-postal de Bahamas.

Paulo Basso Jr.

Hotel Atlantis Bahamas, em Paradise Island

A propriedade ocupa quase toda a área de Paradise Island e atrai nove entre cada dez visitantes do arquipélago, principalmente os que desembarcam dos navios e têm poucas horas para conhecer o país.

Parece estranho um complexo hoteleiro chamar tanta atenção, mas o fato é que o Atlantis é muito mais que um resort, tanto que tem uma suntuosa filial em Dubai. O local concentra diversos hotéis, atrações e belas praias.

Paulo Basso Jr.

Piscina em área reservada do Hotel Atlantis Bahamas

Aquário do Atlantis

De cara, quem o visita se depara com um dos maiores habitat marinhos do mundo construído pelo homem. São 9 milhões de litros de águas distribuídos em 11 lagoas onde vivem mais de 20 mil espécies de peixes, raias, crustáceos, moluscos e até tubarões.

Paulo Basso Jr.

Aquário do Hotel Atlantis Bahamas, em Paradise Island

A decoração inclui uma série de elementos que simulam uma cidade naufragada, referência direta à Atlântida, que inspira o nome e o conceito do complexo inaugurado em 1994.

Para conhecer todo o habitat marinho, é preciso pagar por um tour vendido no próprio hotel. O passeio inclui uma visita ao The Dig, onde há aquários com medusas, águas-vivas e seres que vivem nas profundezas dos mares com pouca incidência de luz.

Paulo Basso Jr.

The Dig, no Hotel Atlantis Bahamas, em Paradise Island

Atlantis Bahamas: parque aquático

Quem estiver com crianças pode optar por passar um dia inteiro no Atlantis, já que o complexo abriga um excelente parque aquático, o Aquaventure, que tem como símbolo uma réplica da pirâmide maia de Chichén Itzá, situada no México – e uma das sete maravilhas do mundo.

Paulo Basso Jr.

Parque aquático do Hotel Atlantis Bahamas, em Paradise Island

Nele, há quase uma dezena de toboáguas, entre internos, externos, tranquilos e completamente insanos. Alguns são formados por tubos transparentes que atravessam a lagoa onde vivem os tubarões e outros peixes.

As crianças menores têm à disposição playgrounds molhados, assim como os marmanjos que desejam relaxar (mais) encontram boias para circular com as pernas para o ar um rio de águas calmas.

Praias perfeitas

O que a maior parte das pessoas que vão ao Atlantis prefere fazer é mesclar as atividades aquáticas disponível no complexo com algumas horas de puro relaxamento em uma das três praias que circundam o complexo, batizadas de Atlantis, Cove e Paradise Beach.

Paulo Basso Jr.

Praias, lagoa e mar: Paradise Island é linda

As três são lindas, separadas por dunas e banhadas pelo inacreditável mar de Bahamas, com todos aqueles tons de azul. O mesmo ocorre com a vizinha Cabbage Beach, uma das faixas de areia mais lindas de todo o arquipélago e ideal para a prática de snorkel e esportes náuticos.

Serviço

O que comer em Bahamas

Com base nos frutos do mar, a gastronomia de Bahamas acaba sendo melhor explorada pelos resorts, que em geral contam com bons restaurantes. Fora deles, há alguns bares na Bay Street, a avenida principal de Nassau, que ficam cheios no verão.

Uma boa dica é reservar algumas noites para jantar no Atlantis, complexo hoteleiro situado em Paradise Island. Lá, há 40 opções para comer e beber, que vão desde lanchonetes que servem snacks até restaurante com cardápios assinados por chefs de renome internacional.

Divulgação Turismo Oficial

Restaurante em Nassau

São ótimos lugares para provar o conch, espécie de molusco servido de todas as formas no arquipélago, desde fritos até em saladas. Além disso, o resort conta com uma charmosa marina com diversas lojas e restaurantes, cujo visual é arrebatador.

Bahama Mama: a bebida das Bahamas

O Bahama Mama está para Bahamas tal qual a caipirinha para o Brasil. Trata-se de um drinque típico da região a base de rum, coco, xarope de romã, suco de laranja e de abacaxi.

Divulgação Turismo Oficial

Bahama Mama é o drinque típico do arquipélago

Tudo isso enfeitado com um guarda-chuvinha colorido, é claro. É bem docinho e vale a pena experimentar.

Mergulho nas Bahamas

Como Bahamas abriga a terceira maior barreira de corais do mundo (atrás apenas de Belize e Austrália), vale a pena aproveitar a viagem ao arquipélago para mergulhar na região.

Divulgação Turismo Oficial

Bahamas é um dos melhores lugares para mergulhar no mundo

Diversas empresas organizam tours para iniciantes e experts, como a Bahamas Divers. A partir de US$ 60, há pacotes para quem deseja fazer snorkeling, mergulhar com cilindro e até encarar áreas onde vivem tubarões.

Para os mergulhadores, o distrito de Exumas é um dos principais pontos de interesse de Bahamas, já que reúne ótimas condições de visibilidade. As águas que banham as praias locais são de um azul-turquesa inacreditável.

Onde ficar nas Bahamas

Paulo Basso Jr.

Hotel Atlantis Bahamas

  • Atlantis Bahamas – O Atlantis reúne cinco resorts, 40 restaurantes e bares, cassino, parque aquático e o maior habitat marinho do mundo construído pelo homem. É o maior ponto turístico das Bahamas.
  • Sandals Royal Bahamian – Tradicional resort para casais que trabalha com sistema all-inclusive, o Sandals fica bem próximo ao centro de Nassau. Tem uma linda piscina e diversos restaurantes.

Reportagem adaptada de original publicada na revista Viaje Mais, parceira do Rota de Férias.