Crédito: Paulo Basso Jr.

Aventura com conforto em cruzeiro na Patagônia

2 de janeiro de 2018

Por Paulo Basso Jr.

Junto a norte-americanos, alemães, franceses, húngaros, argentinos, colombianos, venezuelanos e muitos brasileiros, embarquei no trajeto Ushuaia-Punta Arenas, na Patagônia, percorrido pelo Stella Australis nas Patagônias argentina e chilena, que dura três noites (nas saídas de 2017, a partir de US$ 1.486 por pessoa em quarto duplo). O navio também faz o caminho inverso, em tours com quatro noites de duração (em 2017, a partir de US$ 1.800 por pessoa em quarto duplo). Ambos os pacotes são complementares, já que boa parte dos destinos visitados muda de um roteiro para o outro.

LEIA MAIS: Parte 1: Viagem ao fim do mundo encanta quem vai à Patagônia
Parte 3: Dobre a ponta da América do Sul e veja pinguins na Patagônia
Parte 4: Tierra Patagonia, o hotel mais luxuoso do sul do Chile
Parte 5: O que fazer no Parque Nacional de Torres del Paine

Uma vez dentro do Stella Australis, percebe-se rapidamente que ele passa longe de um navio de cruzeiro convencional. A começar pelo tamanho, já que a capacidade é de apenas 210 passageiros, bem menos do que carregam os transatlânticos que costumam navegar pela costa brasileira durante o verão.

Não há piscinas, cassinos ou apresentações à la Broadway a bordo. Em vez disso, despontam ambientes elegantes (sem ostentação) e que levam à introspecção, como os pequenos salões repletos de poltronas e as cabines confortáveis, arrumadas duas vezes ao dia.

Paulo Basso Jr.
Desembarques do Stella Australis na Patagônia são feitos em botes

Os mimos a bordo tomam conta também do único restaurante do Stella Australis, onde são servidos café da manhã com diversas opções de pães, queijos, jamón serrano e frutas locais, entre outras opções. O almoço é apresentado em forma de bufê, com especialidades internacionais e magalhânicas, e o jantar segue a linha à la carte, sempre com uma opção de carne e outra de peixe. Tudo é preparado com ingredientes típicos da região, e as refeições principais são regadas a bons vinhos argentinos e chilenos.

No último deque, há uma academia para queimar as calorias, mas quase ninguém vai lá. Em vez disso, os passageiros preferem passar o tempo no bar, especialmente depois do jantar. Lá, protegido do frio que faz do lado de fora, bebe-se à vontade vinhos, champanhe e drinques do mundo inteiro, todos eles preparados com bebidas de boa qualidade e acompanhados de petiscos. O serviço, como é praxe em todas as áreas do navio, é impecável.

Palestras da Patagônia
Diversas palestras e documentários sobre a Patagônia são exibidos durante a viagem. Os temas vão da flora da Patagônia aos pinguins-de-magalhães e, nem de perto, podem ser considerados programas de índio.

Paulo Basso Jr.
Um salão a bordo serve de palco para palestras sobre a Patagônia

É em meio a esse clima que ninguém se importa de não haver televisão a bordo, tampouco internet. Sinal de telefone celular, então, só nas cidades de Punta Arenas e Ushuaia. A ideia, portanto, é se desconectar. E, claro, contemplar as belezas da Patagônia.

LEIA MAIS: Os 50 melhores restaurantes da América Latina
Roteiro de 3 dias em Santiago, no Chile

Pelas amplas janelas dos bares e das cabines é possível apreciar o visual cênico do lado de fora, marcado pela sucessão de reentrâncias de mar cercadas de montanhas nevadas. Sempre que você bate o olho em algum lugar, pensa ter visto uma paisagem incrível, talvez a mais bonita da viagem. Mas dali a cinco minutos surge algo ainda mais espetacular, que o deixa de queixo caído. E assim o Stella Australis segue o seu rumo pelo surpreendente fim do mundo.

Obs; trecho de reportagem publicada originalmente na revista Viaje Mais Luxo